Brasileira vibra após melhor resultado do país no Mundial de skeleton

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


A brasileira Nicole Silveira obteve o melhor resultado do país na história do Campeonato Mundial de skeleton, uma das modalidades da Olimpíada de Inverno. Nesta sexta-feira (12), em Althenberg (Alemanha), a gaúcha de 26 anos finalizou a edição 2021 da competição em 17º lugar, sete posições acima do ano passado, quando ficou em 24º. Em 2019, na primeira participação, ela foi a 25ª colocada.ebc Brasileira vibra após melhor resultado do país no Mundial de skeletonebc Brasileira vibra após melhor resultado do país no Mundial de skeleton

“O objetivo era um top-20. Terminei em 17º, então eu me surpreendi e também surpreendi bastante gente. O nível de competidores era alto, estavam as melhores do mundo. Consegui ficar à frente de algumas atletas que nunca imaginei alcançar”, comemorou Nicole, em vídeo enviado à Agência Brasil. Com o resultado, a brasileira deixou para trás a canadense Elisabeth Maier (terceira no Mundial de 2015) e a norte-americana Kendall Wesenberg, uma das representantes dos Estados Unidos nos Jogos de Pyeongchang (Coreia do Sul), em 2018.

No skeleton, o atleta encara uma pista de gelo deitado de bruços sobre um trenó. Nicole fez quatro descidas em dois dias. A classificação final se dá a partir da soma dos quatro tempos. Na quinta-feira (11), a brasileira finalizou a primeira descida em um minuto e oito centésimos e a segunda em 59 segundos e 23 centésimos, assumindo o 17º lugar.

Já nesta sexta-feira, a brasileira cravou 59 segundos e 19 centésimos na terceira e 59 segundos e 18 centésimos na quarta, quase um segundo e meio mais veloz que a melhor marca alcançada no Mundial do ano passado (um minuto e 63 centésimos). Os resultados ajudaram-na a manter a 17ª posição, com tempo total de três minutos, 57 segundos e 73 centésimos.

“Comecei a temporada com um nível de confiança baixo. A Copa do Mundo [circuito mundial da modalidade] começou em Sigulda [Letônia, em 20 de novembro], que é uma pista técnica, e terminei em último. Na semana da segunda etapa, também em Sigulda, machuquei o meu tornozelo. Depois dali, as coisas começaram a melhorar e os resultados apareceram mais”, conta Nicole, que chegou ao Mundial embalada pelo sexto lugar na etapa de Königssee (Alemanha) da Copa Intercontinental.

A vencedora foi a alemã Tina Hermann, que chegou ao quarto título mundial da carreira, com tempo de três minutos, 52 segundos e 97 centésimos. A compatriota Jacqueline Lölling, vice-campeã olímpica em 2018, ficou em segundo, 11 centésimos atrás. A russa Elena Nikitina, bronze nos Jogos de Sochi (Rússia) em 2014, completou o pódio.

“Estou muito feliz com o resultado. Foram as melhores descidas que tive até hoje. Agora, é só crescimento”, afirmou a gaúcha, que finaliza a temporada 2020/2021 na expectativa de poder treinar na pista que será utilizada nos Jogos de Pequim (China), no ano que vem. A brasileira, que mora no Canadá e também trabalha como enfermeira, pode ser a primeira a representar o Brasil no skeleton em uma Olimpíada de Inverno.

Edição: Gustavo Faria

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist