Menu...

19 de setembro de 2018

Serenata do Professor Melquíades nesta sexta, 22, após Procissão Luminosa, em Amarante; confira!


Hospital de Olhos

O que antes representava um momento de cortejo e assédio às moças, aos poucos foi se transformando em um encontro de amigos. Assim, a serenata do professor Melquíades foi se incorporando às festividades do Divino Espírito Santo, em Amarante, nos seus mais de cem anos de tradição.

Trata-se de um encontro de pessoas humildes que participam da festa, fortalecendo a tradição cultural. “Eu aprendi a tocar violão e fazia serenata por deleite. Aos poucos ela foi fazendo parte da festa. Dizem que, em Amarante, eu transformei o evento num encontro de amigos, todos cantando e animando a madrugada”, afirmou o músico e professor Melquíades Barroso, da organização das festividades do Divino Espírito Santo.

O repertório também foi passando por adaptações. Antes, Pixinguinha e Dalva de Oliveira eram parte da seleção musical que se ouvia nas portas das casas em Amarante. Quem participa da serenata atualmente tem um encontro marcado com sucessos de outros grandes cantores, a exemplo Luiz Gonzaga, Raimundo Fagner e Reginaldo Rossi.

Ao todo, quatro músicos irão tocar violão no evento, cujo início está previsto para 22h desta sexta-feira, 22. A condução da festa será feita pelos músicos James Brito e Thiago Rubens, ambos de Teresina.

mel_serenataO percurso pelas ruas e avenidas de Amarante tem início na residência da professora Mariquinha Costa, também da organização da festa. “Nós vamos passando nas casas dos amigos, cantando, tocando e contagiando com alegria o nosso público. Até mesmo quem não pode acompanhar a serenata, abre as portas para nos ver passar”, reforça o professor.

O encerramento acontece anualmente em frente ao Museu do Divino, na Avenida Desembargador Amaral, ao amanhecer do sábado.

“Para nós, é uma satisfação ver os amigos reunidos em torno da música e da alegria. Desta forma, a gente mantém viva a cultura de Amarante e mantém acesa essa tradição centenária”, encerra Melquíades.

Edição e postagem: Denison Duarte

Fotos: Beco da bolinagem

Tags: ,

Comente aqui

at venenatis, diam pulvinar ut ante. nec