Ideia é publicar edital da Cedae antes do Natal, diz BNDES

WhatsApp
Twitter
Telegram
Facebook


A publicação do edital de concessão dos serviços de água e esgoto da Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae) não será publicado antes do próximo dia 17 de dezembro, disse hoje(27), em entrevista virtual, o superintendente da Área de Estruturação de Parcerias de Investimentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Cleverson Aroeira. Nessa data, o Conselho da Região Metropolitana do Rio realizará reunião sobre o modelo de outorga e deverá definir a adesão ao projeto. “Eu gostaria que saísse amanhã, mas necessita uma etapa final que é a aprovação pelo Conselho da Região Metropolitana”, disse Aroeira. Complementou que a ideia é que o edital esteja pronto para ser publicado antes do Natal.ebc  Ideia é publicar edital da Cedae antes do Natal, diz BNDESebc  Ideia é publicar edital da Cedae antes do Natal, diz BNDES

O banco aguarda também números a serem enviados pela Cedae para a venda da água para as futuras concessionárias, uma vez que a atual gestão da companhia considerou inadequado o valor de R$ 1,46 por metro cúbico calculado pelos técnicos do BNDES. Serão feitas então novas contas para aprovação pelo governo fluminense. A Cedae constitui, segundo Cleverson Aroeira, a maior concessão de infraestrutura do país, com investimentos estimados em R$ 30,6 bilhões e uma população abrangida de 13,150 milhões de pessoas.

Carteira

Atualmente, a carteira de saneamento do BNDES tem oito projetos em andamento estruturados, dos quais dois – a região metropolitana de Maceió e Cariacica (ES) – já foram licitados em setembro e outubro deste ano. O modelo do Rio de Janeiro é o mais ambicioso. Juntos, os oito projetos vão atender a mais de 36 milhões de pessoas, com investimento total superior a R$ 50 bilhões. Em preparação, estão projetos de Minas Gerais, mais dois blocos de Alagoas, Bahia, Paraíba e Rondônia, disse Aroeira.

Indagado sobre a questão das tarifas, o superintendente do BNDES avaliou que a maioria das localidades já tem uma tarifa suficiente para a instauração dos serviços de universalização. Em determinados locais, porém, disse que a tarifa deixou de ser reajustada durante anos. “Está defasada. A tarifa não acompanhou a inflação”. Nesses casos, será necessária uma recomposição do valor da tarifa. O banco pretende fazer a menor recomposição possível para fazer frente aos investimentos para universalização.

Outro ponto que consta dos modelos estruturados pelo BNDES é a tarifa social. Cleverson Aroeira afirmou que uma preocupação do banco é que a população de baixa renda não seja prejudicada. No Amapá, por exemplo, o modelo elaborado estabelece que 25% da população serão atendidos pela tarifa social.

Papel do BNDES

A chefe de Departamento da Área de Saneamento, Transporte e Logística do BNDES, Laura Bedeschi, destacou o papel fundamental da instituição para o desenvolvimento do setor. Laura mostrou dados que comprovam que 88% do déficit de água e 70% do déficit de esgoto do Brasil estão concentrados na população com renda até um salário mínimo. “Levar saneamento para essas pessoas é também diminuir a desigualdade social no país”, afirmou.

De acordo com o Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab), os investimentos necessários para chegar à universalização dos serviços de água e esgoto até 2033 somam R$ 26,5 bilhões, em valores de 2018. “Historicamente, o Brasil investe metade disso”, observou Laura. Dos R$ 12,3 bilhões investidos, 53% estão concentrados em São Paulo, Minas Gerais e Paraná, enquanto as regiões Norte e Nordeste reunem 67% do déficit de água e esgoto e recebem somente 21% dos investimentos.

Desafios

Entre os desafios para ampliar os recursos para o setor, Laura enumerou elevar a desconcentração do investimento, aumentar a alavancagem do setor e, também, da eficiência e efetividade dos investimentos. O mercado de capitais pode ser uma fonte de financiamento para os investidores do setor de saneamento, via emissão de debêntures. Laura Bedeschi disse que o BNDES quer aumentar o número de emissões mas reconheceu que, para isso, é essencial ter segurança jurídica e projetos.

A chefe de Departamento da Área de Saneamento, Transporte e Logística do banco lembrou também que o saneamento é a vertente que melhor atende à demanda de ASG (investimentos voltados para projetos ambientais, sociais e de governança) de investidores em todo o mundo atualmente. O BNDES tem o saneamento como uma de suas prioridades e contabiliza histórico de 25 anos de financiamento ao setor. O banco está presente nas cinco regiões do país e participa com até 95% do valor dos projetos. De acordo com estudo do Instituto Trata Brasil, 24 dos 27 estados brasileiros terão que aumentar os investimentos em saneamento.

A partir da próxima segunda-feira (30) até 4 de dezembro, o BNDES realiza a semana “S de Social, S de Saneamento”. Durante o evento virtual, nomes de destaque do setor de saneamento debaterão a ampliação do acesso e a melhoria da qualidade dos serviços de água, esgotamento sanitário e coleta de lixo em videoconferências diárias mediadas por especialistas do banco. (Alana Gandra)

Edição: Liliane Farias

Fonte: EBC Geral

Receba nosso conteúdo

Related Posts

Welcome Back!

Login to your account below

Create New Account!

Fill the forms below to register

Retrieve your password

Please enter your username or email address to reset your password.

Add New Playlist