A bebê Juliana Duarte, de apenas 6 meses, morreu após ter 38% do corpo queimado durante um banho no Hospital Getúlio Vargas, em Niterói, no Rio de Janeiro.

O enterro aconteceu no cemitério de Maruí, no Barreto. Os pais mal conseguiram falar, de tão abalados que estavam.

“Tirou a vida da minha filha”, lamentou o pai ao G1/RJ, chorando muito. “Eu prometi pra minha filha que eu ia levar ela de volta [do hospital].”

Uma das avós, Adilene Feitosa, afirmou que a família está sem assistência e vai brigar pela punição aos responsáveis. “A gente está confiante na Justiça (…) Não fomos procurados nem quando aconteceu o acidente. Ninguém explica, ninguém diz nada.”

A bebê foi queimada durante um banho com água muito quente. A causa da morte ainda está sendo investigada, segundo afirmou o hospital. A criança tinha microcefalia e meningite, precisando de internações frequentes.

Familiares culpam uma técnica em Enfermagem responsável pelo banho da criança.

“Foi negligência mesmo dessa profissional, que na verdade a gente não pode nem chamar de profissional”, disse a avó.

A mãe, Luara dos Santos, tinha ido em casa para tomar banho e trocar de roupas. Ao chegar no hospital encontrou a filha enfaixada com queimaduras pelas nádegas, pernas, costas e barriga.

O caso foi registrado na 78ª Delegacia de Polícia. De acordo com o delegado responsável pelo caso, a técnica será inidiciada por homicídio.

Foto: Reprodução/TV Globo