Menu...

11 de dezembro de 2017

Eleição de miss Japão negra gera debate sobre racismo no país


Hospital de Olhos

Um concurso de miss no Japão vem gerando um debate no país que vai muito além das medidas das candidatas ou dos vestidos usados.

A polêmica ganhou força logo após Ariana Miyamoto colocar a faixa de miss Japão. Tudo porque a jovem de 20 anos é mestiça – sua mãe é japonesa e seu pai, um americano negro.

A vitória de Ariana, que ocorreu em maio, trouxe à tona um problema que não é discutido abertamente no país: o racismo.

A própria jovem contou que decidiu participar do concurso depois do suicídio de um amigo, que também era mestiço.

“Ele tinha 20 anos e sofria com problemas de identidade”, disse ela à agência de notícias EFE. “Quando ele morreu, decidiu que tinha de fazer algo a respeito.”

Ariana é a primeira japonesa mestiça a representar o país no concurso Miss Universo. No Japão, os mestiços são chamadas de hafu (palavra que vem do inglês half, que significa “metade”).

Segundo o correspondente da BBC em Tóquio, Rupert Wingfield-Hayes, é dessa forma que os japoneses definem alguém que “não é estrangeiro, mas também não é completamente japonês”.

E Ariana diz conhecer bem essa situação. “Quando digo que sou japonesa, as pessoas não acreditam, dizem ‘ah, não pode ser'”, conta.

Sua vitória gerou uma onda de repercussões negativas nas redes sociais nipônicas. “É certo eleger uma hafu para Miss Japão?”, questionaram muitos internautas.

“Me incomoda pensar que ela representa o Japão”, disseram outros.

Segundo o correspondente da BBC, a sociedade japonesa tem uma visão bastante limitada do que significa ser japonês.

“O que vejo nas ruas de Tóquio é algo muito monoétnico”, disse Wingfield-Hayes. “Os japoneses têm uma tendência em acreditar que são únicos, mas isso não é verdade: são uma mistura étnica, com coreanos, chineses.”

As estatísticas mostram que o Japão já não é o país homogêneo que muitos acreditam.

Futuro heterogêneo
Uma em cada 50 crianças nascidas no país é mestiça, o que equivale a 20 mil bebês por ano. Para o correspondente da BBC, o Japão está mudando.

Mas atualmente, a visão predominante segue sendo conservadora.

Um exemplo disso é a pouca atenção dada pela mídia à vitória de Ariana.

“Definitivamente, eu recebo mais atenção de fora do Japão. Quando ando pelas ruas, nenhum japonês me reconhece, mas muitos turistas estrangeiros me param para me cumprimentar”, contou a missa à BBC Mundo.

A grande pergunta agora é o que acontecerá com Ariana se ela conseguir a coroa de Miss Universo, no concurso que ocorre no início de 2016.

Fonte: BBC Brasil

Radar Financeira

Tags: ,

Comente aqui

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE