Menu...

20 de junho de 2018

São Paulo analisa projeto com instalação de máquina que tira água do ar


Hospital de Olhos

O inventor de uma máquina que “fabrica” água condensando a umidade do ar se reuniu nesta segunda-feira (3) com representantes do governo paulista para apresentar um projeto para amenizar a crise hídrica no Estado.

O engenheiro mecatrônico Pedro Ricardo Paulino foi recebido pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB) para apresentar a instalação de sua invenção, em escala maior, às margens dos rios Tietê e Pinheiros.

Na reunião com representantes da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos, responsável por ações de combate à crise hídrica, ele afirmou que as máquinas funcionariam como usinas produtoras de água.

A proposta, de acordo com a pasta, será agora analisada por técnicos, assim como ocorre com outros estudos.

 

O chefe de gabinete da secretaria, Alexsandro Peixe Campos, foi um dos representantes do governo na reunião.

O sistema Cantareira, principal responsável pelo abastecimento da capital, teve nova queda nesta segunda, quando operava com 11,9% de sua capacidade. No domingo, seu nível era de 12,1%.

A medição, no entanto, é anterior ao temporal que atingiu a região das represas durante a tarde desta segunda.

‘CRIAR OPÇÕES’

“O objetivo não é suprir completamente o abastecimento, mas criar opções para que as represas não sejam a única fonte”, diz Paulino, sobre a proposta discutida com o governo do Estado.

Segundo o engenheiro, há máquinas menores que fazem algo semelhante, mas, se aceito, o projeto dele seria o maior do mundo. Mas ainda não há estimativa de custo.

Uma das versões da máquina produz 30 litros de água por dia e custa R$ 7.000. Outra versão, que chega a produzir 5.000 litros por dia, é vendida por R$ 350 mil.

O local da hipotética instalação das usinas (nas marginais) foi escolhido devido à umidade elevada do ar–entre 50% e 90%–, que aumenta a produção de água.

De acordo com o engenheiro, cada usina é capaz de produzir 2 milhões  de litros de água por dia. Ele afirma ser possível construir 20 delas em cada uma das marginais.

Considerando que um morador da Grande São Paulo gasta em média 161 litros de água por dia, segundo a Sabesp, uma usina seria capaz de abastecer 12.422 pessoas.

Agora, diz Paulino, o plano deve ser apresentado ao comitê que administra a crise hídrica no Estado.

via:Folha de S.Paulo.

Tags: , ,

Comente aqui

mattis Curabitur Lorem venenatis, eget justo ut id luctus venenatis amet,