Menu...

Última Notícia

17 de dezembro de 2017

Exposição inédita Zero fica até domingo no Museu Oscar Niemeyer


Hospital de Olhos
A mostra Zero fica em exposição até o próximo domingo (03), no Museu Oscar Niemeyer (MON), em Curitiba. Com curadoria de Heike van den Valentyn, a exposição instalada no Olho é inédita no Brasil e traz uma visão geral dessa vanguarda internacional que, no período pós-guerra (final da década de 1950 e início da década de 1960) revolucionou a arte com pinturas seriais e vibrantes estruturas luminosas.

No último dia da exposição haverá apresentação de dança com o grupo de balé do Teatro Guaíra: “Suporte para Violetas”, às 15h, e visita mediada pela exposição com Fabricio Vaz Nunes, professor de História da Arte na Escola de Belas Artes e Músicas do Paraná (Embap) e mestre em História da Arte pela Unicamp, às 16h30.

São 24 obras de artistas da Europa e da América do Sul, que revelam os modernos modos de pensamento e de trabalho da Zero. As obras refletem as relações entre artistas europeus, como Yves Klein, Günther Uecker, Otto Piene e Hans Haacke, e sul-americanos, como Lucio Fontana, Almir Mavignier e Jesús Rafael Soto.

O diálogo artístico da exposição Zero é ampliado ainda com as obras de Hércules Barsotti, Lygia Clark e Abraham Palatnik (Brasil) e Gego (Venezuela), assim como Gyula Kosice (Argentina). “A exposição reflete a mútua tomada de influências de artistas de ambos os continentes e amplia esse diálogo em torno de abordagens sul-americanas selecionadas que se aproximam formalmente do grupo Zero”, aponta a curadora Heike van den Valentyn.

A exposição segue depois para a Fundação Iberê Camargo, em Porto Alegre (de dezembro de 2013 a março de 2014), e depois para a Pinacoteca do Estado de São Paulo (de abril a junho de 2014).

ZERO – Nos anos 1950, um grupo de artistas alemães tentou criar um novo conceito artístico ao proclamar o nascimento da arte do pós-guerra no país europeu. Em praticamente uma década, o grupo se transformou em um dos mais conceituados movimentos de vanguarda do século 20. Otto Piene, Heinz Mack e Günther Uecker foram os nomes que marcaram o início desta nova vanguarda.

Zero designou um novo começo em termos históricos e artísticos por ter deixado princípios da arte para trás. Em 1950, na sequência de experiências opressivas da guerra e em distinção do expressionismo abstrato europeu de pintura gestual, o informalismo, Zero elaborou conscientemente uma linguagem monocromática pictórica repleta de luz.

Desde o início, o grupo Zero foi concebido como rede internacional. A superação de fronteiras, tanto nacionais quanto artísticas, teve importância central em uma Europa marcada pela guerra.

SERVIÇO: Programação para o dia 3/11 no encerramento da exposição ZERO:

Balé Teatro Guaíra

“Suporte para Violetas”

Concepção Coreográfica: Reinaldo Pereira

Músicas : Harmonium – Max Richter ; Karlheinz Stockhausen – XV e XVI

Horário: 15h

Local: Olho

Entrada: gratuita

Visita mediada

Exposição Zero

Mediação: Fabrício Vaz Nunes

Horário: 16h30

Local: Olho

Entrada: gratuita

EXPOSIÇÃO ZERO

Data: até o dia 03/11, domingo

Horário: terça a domingo, das 10h às 18h, com ingressos a R$6,00 e R$3,00 (meia-entrada), exceto no domingo (3), quando a entrada é gratuita.

Local: Museu Oscar Niemeyer – Sala 10 – Rua Marechal Hermes, 999 – Centro Cívico – Curitiba – PR

Mais informações: (41) 3350- 4400


Comente aqui

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE