AMARANTE

PIAUÍ

Franzé alerta sobre risco de vida dos moradores das áreas de risco em Teresina

Avatar

Publicado em

PIAUÍ


Período chuvoso em Teresina é sinal de transtornos em todos os bairros, provocando prejuízos materiais e riscos à saúde e vida da população. Essa é a pontuação do deputado estadual Franzé Silva (PT), que tem acompanhado a situação dos alagamentos na capital e buscado resolver, efetivamente, esse problema que, todos os anos, provoca caos na capital.

Nas últimas semanas, Franzé tem sido procurado por moradores do residencial Torquato Neto III, zona Sul, que denunciam e cobram das autoridades medidas que solucionem o caso: a falta de drenagem de águas pluviais na região. Nessa quinta-feira (25), a equipe do parlamentar visitou o Torquato Neto, observando de perto o problema vivenciado pela população local.

“É uma calamidade pública”, pontua Franzé Silva. “Esses conjuntos habitacionais foram construídos sem o plano de drenagem exigido para liberação dos recursos federais. A Prefeitura e a Caixa Econômica Federal liberaram os recursos sem cumprirem essa obrigatoriedade. As consequências são prejuízos materiais e à vida dos moradores”, assevera.  Em 2020, o deputado acionou o Ministério Público Federal (MPF), cobrando a responsabilização da Prefeitura e da Caixa Econômica pela liberação dos recursos federais e execução da obra do Torquato Neto sem projeto de drenagem. O parlamentar também ingressou com representação no Ministério Público do Piauí (MP-PI), para cobrar plano de drenagem para bairros e conjuntos habitacionais da capital.

Leia Também:  Estudante acidentado em Floriano morre em THE após um mês internado

“As edificações nessas áreas são ilegais, inconstitucionais e imorais. Há 10 anos, os moradores do Torquato Neto III, por exemplo, cobram infraestrutura local. É inadmissível que o poder público não tenha resolvido até o momento”, denuncia Franzé, observando que ambas as representações foram arquivadas nos órgãos ministeriais, mas que sua assessoria jurídica já ingressou com recurso para reverter a situação.

Processo parado – Uma das moradoras do Torquato Neto III, Márcia Maria afirma que existe um Processo Administrativo (000028-002/2019), junto ao Procon-PI, que tenta resolver a situação na quadra onde reside, mas, segundo ela, está parado. Márcia diz que buscou o apoio de Franzé Silva para tentar fazer com que o órgão dê seguimento ao processo. “Tem dias que a gente não consegue entrar em casa, porque chove e alaga”, lamenta.

Os moradores também cobram a suspensão da cobrança de IPTU e das prestações dos contratos de financiamento das casas – construídas por meio do Programa Minha Casa, Minha Vida –, enquanto perdurarem os alagamentos. “Queremos que a Prefeitura e a Caixa façam e implementem o plano de drenagem e que não cobrem IPTU e prestações, enquanto o problema não for resolvido”, frisa Franzé.

Leia Também:  Pescadores encontram corpo boiando no rio Poti, em Teresina

Outro morador do Torquato Neto III, Rogério afirma que “estamos abandonados pelo poder público. Favoreceram apenas algumas quadras, e várias outras estão abandonadas, com os moradores pagando as prestações em dia, em cima de cobranças da Caixa, que ameaça tomar nossas casas. Aqui não tem galeria, não tem escoamento, não tem calçamento, não tem nada”.

Assessoria parlamentar – Edição: Katya D’Angelles

COMENTE ABAIXO:
Avatar

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

PIAUÍ

Hospital de Campo Maior comemora 500 altas de pacientes com Covid-19

Avatar

Publicados

em


Dados do boletim epidemiológico divulgados pelo Hospital Regional de Campo Maior (HRCM), nesta quinta-feira (15), revelam resultados animadores no que se refere à recuperação de pacientes acometidos com a Covid-19. Em meio à pandemia do novo coronavírus, o hospital registrou 500 altas médicas.

A unidade de saúde tem 14 enfermarias, 52 leitos (clínicos e de estabilização), canalização para gases medicinais e demais equipamentos que auxiliam no tratamento de pacientes com Covid-19. Para garantir um bom atendimento, o HRCM dispõe de dois médicos plantonistas 24h e uma equipe multiprofissional.

“Além dessa estrutura e o comprometimento da equipe em geral, o atendimento de fisioterapia é outro diferencial no HRCM. Com uma equipe de cinco fisioterapeutas, os profissionais realizam diariamente protocolos que vem auxiliando de forma significativa na  recuperação de pessoas com a Covid-19”, disse Celene Fontenele, diretora do HRCM.

Durante a internação, os pacientes recebem acompanhamento diário de fisioterapeutas, que realizam procedimentos voltados à recuperação respiratória e motora, como explica Eliziete Abreu, coordenadora do Centro de Fisioterapia do HRCM. “Nas enfermarias, os pacientes internados com síndrome pós-covid normalmente apresentam um quadro um pouco mais difícil, ainda necessitando de aporte de oxigênio. Os atendimentos da fisioterapia englobam a parte motora para melhorar as condições circulatórias, e prevenir perda de mobilidade e flexibilidade, além da parte respiratória, com controle da mecânica da respiração, manobras para auxílio na expansão pulmonar e desobstrução brônquica, e também com orientações quanto a posicionamento no leito”, disse a fisioterapeuta.

Leia Também:  Hino do Piauí - Orquestra Sinfônica de Teresina e Ensaio Vocal

O HRCM oferta ainda o atendimento de fisioterapia a nível ambulatorial para pacientes com sequelas da Covid-19. Segundo Eliziete, esses pacientes chegam com quadro relativamente grave. “Os pacientes com sequelas da Covid-19 em nível ambulatorial são mais crônicos e, normalmente, chegam a nós com quadro de redução da tolerância aos exercícios, dispneia aos esforços, dores articulares, fraqueza muscular esquelética, diminuição da flexibilidade, alterações de equilíbrio, além de fatores emocionais envolvidos como insônia, falta de relaxamento mental e ansiedade. Os atendimentos são voltados pra essas situações, com fisioterapia respiratória e motora, treino de atividades de vida diária, aromaterapia clínica com óleos essenciais relaxantes, ventosaterapia e orientações quanto aos exercícios domiciliares”, explicou a coordenadora.

Em março o HRCM registrou 400 altas médica de pacientes com Covid-19, em menos de um mês o hospital teve mais 100 altas de pacientes que venceram o Coronavírus. Os atendimentos de fisioterapia em 2020 chegaram a 5.449 e esse ano, até o mês de março 1.374 pessoas já foram atendidas.

Fonte: Governo PI

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA