AMARANTE

ECONOMIA

Dólar fecha praticamente estável com pressões do exterior

Avatar

Publicado em

ECONOMIA


Num dia de pressões do mercado internacional, o dólar fechou praticamente estável após operar em queda durante quase toda a sessão. A bolsa de valores, que passou boa parte do dia próxima da estabilidade, não resistiu e caiu perto do fim das negociações.

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (23) vendido a R$ 5,516, com leve recuo de 0,04%. A cotação chegou a cair para R$ 5,47 na mínima do dia, por volta de 15h30, mas a instabilidade nos mercados externos fez a moeda devolver a baixa nos 90 minutos finais de sessão.

Apesar da estabilidade de hoje, o real teve um dos melhores desempenhos entre as moedas de países emergentes. O mercado continua reagindo à decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central de aumentar a taxa Selic (juros básicos da economia) para 2,75% ao ano e indicar uma elevação para 3,5% ao ano na próxima reunião, em maio. Juros mais altos atraem capitais para economias emergentes, como o Brasil.

No mercado de ações, o dia foi marcado pelas perdas. O índice Ibovespa, da B3, fechou o dia aos 113.262 pontos, com recuo de 1,49%. Esse foi o segundo pregão seguido de queda no indicador.

Leia Também:  Ministério: PEC Emergencial é a maior reforma fiscal em 22 anos

O dia foi marcado pela volatilidade no mercado internacional. A extensão do lockdown na Alemanha até meados de abril e a expectativa de que o governo da França anuncie medidas semelhantes nos próximos dias deve impactar as previsões de recuperação da economia global neste ano. Isso levou à queda no preço internacional das commodities, afetando países emergentes.

Nos Estados Unidos, as bolsas caíram, apesar da redução das taxas dos títulos do Tesouro norte-americano também terem recuado nesta terça-feira. Em audiência no Congresso, a secretária do Tesouro, Janet Yellen, defendeu possíveis aumento de impostos para custear investimentos em infraestrutura na maior economia do planeta, também provocando impacto no mercado financeiro.

*Com informações da Reuters.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

COMENTE ABAIXO:
Avatar

Propaganda
Clique para comentar

Você precisa estar logado para postar um comentário Login

Deixe uma resposta

ECONOMIA

Dólar sobe para R$ 5,72 e fecha no maior valor em duas semanas

Avatar

Publicados

em


Influenciado pelo exterior e por tensões no mercado interno, o dólar voltou a superar a barreira de R$ 5,70 e fechou no maior valor em duas semanas. A bolsa de valores resistiu às pressões externas e subiu quase 1% em um dia de poucas negociações.

O dólar comercial encerrou hoje (12) vendido a R$ 5,722, com alta de R$ 0,047 (+0,84%). A moeda norte-americana iniciou a segunda-feira em baixa, chegando a R$ 5,63 na mínima do dia, por volta das 9h50. Depois das 12h, reverteu a tendência e passou a subir. A cotação atingiu o maior nível desde 30 de março, quando tinha encerrado a R$ 5,762.

Diferentemente do câmbio, o mercado de ações teve um dia de tranquilidade, marcado por ganhos. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 118.812 pontos, com alta de 0,97%. O indicador descolou-se do exterior, tendo subido o dia inteiro, enquanto os índices norte-americanos tiveram um dia de queda. A bolsa brasileira registra perda de apenas 0,17% em 2021.

Dois fatores contribuíram para a volatilidade no mercado de câmbio. Depois de dias de queda, as taxas dos títulos do Tesouro norte-americano de dez anos voltaram a subir nesta segunda. Juros mais altos nos papéis norte-americanos, considerados os investimentos mais seguros do mundo, pressionam a cotação do dólar em países emergentes, como o Brasil.

Leia Também:  Custo da cesta básica sobe em 16 das 17 capitais pesquisadas

O impasse em torno das negociações sobre o Orçamento Geral da União de 2021 também voltaram a influenciar o dólar. O presidente Jair Bolsonaro tem dez dias para sancionar o texto, aprovado com o remanejamento de R$ 26,45 bilhões de despesas obrigatórias para emendas parlamentares impositivas. A equipe econômica recomendou o veto parcial, para evitar a violação do teto de gastos e questionamentos do Tribunal de Contas da União.

*Com informações da Reuters

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA