AMARANTE

Economia

Dólar fecha em R$ 5,0578, registrando forte queda nesta sexta-feira

Publicado em

Economia

O dólar fechou em forte queda nesta sexta-feira (13). O dólar à vista caiu 1,65% nesta sexta-feira (13), fechando a R$ 5,0578, após variar entre R$ 5,1503 (+0,15%) e R$ 5,0462 (-1,87%). O patamar de fechamento é o menor desde o dia 5 ( R$ 5,0166).

Na semana, o dólar caiu 0,31%, registrando uma alta de 1,36% até quinta-feira. Em maio, reduziu os ganhos para 2,31% e ainda recuou 9,25% no acumulado do ano.

O declínio da moeda norte-americana foi influenciado pelos riscos de aperto mais forte da política monetária dos EUA e dos efeitos sobre cadeias de produção decorrentes de novos fechamentos de negócios na segunda maior economia do mundo para conter surtos de coronavírus.

Bolsa

A B3, principal índice da bolsa de valores brasileira, teve alta nesta sexta-feira e voltou a registrar ganho semanal após cerca de um mês e meio. Suzano e Petrobras foram as principais altas do dia. O Ibovespa subiu 1,17%, fechando a 106.924,18 pontos, na terceira alta seguida. Com isso, o índice fecha a semana com ganho de 1,7%, após cinco baixas semanais. O volume financeiro da sessão foi de R$ 27,1 bilhões.

Leia Também:  IGP-M acumula taxa de inflação de 16,12% em 12 meses, diz FGV

Ontem (12), o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, reiterou a intenção do Fed em subir o juro em 0,5 ponto percentual nas próximas reuniões, diminuindo temores de um movimento de alta mais agressivo.

*Com informações da Reuters

Edição: Fábio Massalli

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Economia

Ministro Guedes reforça confiança na economia e na democracia do país

Publicados

em

O ministro da Economia, Paulo Guedes, participou hoje (26) pela manhã de um painel de debates sobre a conjuntura econômica global no Fórum Econômico Mundial (WEF, na sigla em inglês), em Davos, na Suíça.

Segundo o ministro, autoridades internacionais duvidaram, inicialmente, da capacidade econômica interna para lidar com a pandemia. Guedes lembrou que a estimativa de retração econômica para o país chegou a 9,7% – mais alta do que a dos países europeus. Entretanto, o país teve retração de 3,6% no produto interno bruto (PIB) e cresceu 4,6% no ano seguinte.

“Nos saímos melhor do que todos os outros países na questão fiscal. O único país que teve um resultado fiscal interno melhor do que nós foi Singapura”, afirmou. 

“A ideia principal é: fizemos muitas reformas. Ao invés de crescermos 7, 8 ou 9% com um déficit grande, removemos todos os incentivos fiscais durante a recuperação”, afirmou Guedes, que também explicou que o país conseguiu reverter a desconfiança apresentada na primeira participação do governo de Jair Bolsonaro no fórum.

Leia Também:  Busca a valores esquecidos registra mais de 100 milhões de consultas

Guedes explicou as estratégias aplicadas pelo governo durante a pandemia, como os programas de preservação de empregos e o auxílio emergencial, além de ter destacado a importância do Auxílio Brasil no período após o fim das restrições sanitárias.

O ministro da Economia do Brasil também reforçou que, apesar de classificada como “barulhenta”, a democracia brasileira é estável e confiável, e que não há razões para questionar os resultados positivos apresentados pela atual gestão.

Após o painel, o ministro relatou uma mudança “no clima” entre os colegas ministros de economia e finanças de outros países, a qual classificou como positiva, e disse ainda que o foco internacional no Brasil diz respeito à parcerias para iniciativas sustentáveis, como a geração de energia renovável.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA