AMARANTE

GERAL

Contran prorroga prazo para motoristas realizarem exame toxicológico

Avatar

Publicado em

GERAL


O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) decidiu prorrogar os prazos para a realização do exame toxicológico periódico para o condutor habilitado nas categorias C, D e E. A medida foi publicada hoje (28) no Diário Oficial da União (DOU), estabelecendo uma tabela com novos prazos, ao longo do ano de 2021, de acordo com a data de validade da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

A nova Lei do Trânsito, que entrou em vigor no dia 12 de abril de 2021, determina que todos os condutores dessas categorias com menos de 70 anos deverão ser submetidos a novo exame a cada período de dois anos e seis meses. O prazo começa a contar a partir da obtenção ou renovação da CNH.

Segundo a legislação, o motorista que conduzir veículo para o qual seja exigida habilitação nas categorias C, D ou E sem realizar o exame toxicológico após 30 dias do vencimento do prazo estabelecido, incorrerá em infração gravíssima. A sanção para esses casos é de R$1.467,35 e suspensão do direito de dirigir por três meses.

Leia Também:  AGRICULTURA FAMILIAR - O crédito rural como ferramenta de desenvolvimento e inclusão social

A deliberação do Contran diz que os motoristas que exercem atividade remunerada, com data de validade da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) anterior ao dia 12 de outubro de 2023, não serão multados no momento da renovação da habilitação pela não realização do exame.

A determinação do Contran diz, porém, que todos os condutores que forem flagrados conduzindo veículo das categorias C, D ou E sem ter realizado o exame toxicológico periódico, de acordo com a tabela, ficarão sujeitos a aplicação da multa.

O Contran determinou ainda que os laboratórios credenciados em todo o país deverão inserir no sistema Renach a informação, em até 24 horas, da data e hora da realização da coleta do exame. Além disso, os laboratórios terão um prazo de até 25 dias, contados a partir da data da coleta, para incluir o resultado do exame no Renach.

De acordo com o Ministério da Infraestrutura, as novas datas foram decididas por conta da pandemia de covid-19, com amplo debate dentro do Fórum Permanente para o Transporte Rodoviário de Cargas (Fórum TRC), com a Associação Brasileira de Toxicologia (ABTOX), Confederação Nacional do Transporte (CNT), Confederação Nacional dos Transportadores Autônomos (CNTA) e a Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Leia Também:  06 de dezembro – Dia do extensionista rural

“O condutor das categorias C, D ou E, deverão observar a tabela e, conforme a data de validade de sua CNH, verificar qual o prazo limite para realizar o exame toxicológico periódico. Além de regularizar sua situação perante a legislação de trânsito, o condutor pode aproveitar o exame periódico para a renovação da carteira de habilitação, se a renovação ocorrer em até 90 dias após a data da coleta da amostra. Se a coleta da amostra ocorrer há mais de 90 dias, o motorista precisará fazer um novo teste”, informou o ministério.

Edição: Aline Leal

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

GERAL

Dia das Mães: isolamento social mudou as relações entre mães e filhos

Avatar

Publicados

em


Pelo segundo ano seguido, o Dia das Mães será comemorado durante a pandemia da covid-19. Uma das datas mais importantes do calendário brasileiro, será novamente celebrado em casa ou em pequenas reuniões. E as mães, que na maioria dos casos são as que acumulam as tarefas domésticas e a criação dos filhos, passarão mais uma data celebrando e refletindo sobre esse período desafiador da história da humanidade. 

É o caso da secretária escolar Roberta Gerardi, mãe da Gabriela, de 7 anos e da Giovana, de 13 anos. Ela diz que vai passar a data com a mãe, de 70 anos, e com a tia, de 77 anos, mas as duas já tomaram a vacina contra a covid-19. 

Roberta disse que o período de isolamento tem sido de muito aprendizado e relembra o começo da fase. 

“No começo foi bem legal, a gente cozinhava juntas, inventava fazer um monte de coisa e foi bem divertido, como se fosse umas férias, mas de repente aquelas férias começaram a não ter fim, a rotina veio e teve uma fase bem complicada. A gente começa a perceber que tem muita diferença de pensamentos, idades e vem as divergências, mas aí a gente vai conversando, respirando fundo e com muito amor a gente vai resolvendo as coisas”. 

A secretária disse que a cozinha aproximou as três. “Essa parte da cozinha acabou juntando a gente e fazendo com que esse momento tão difícil ficasse um pouquinho mais suave. A cozinha que juntou a gente”, disse emocionada.

Roberta ficou apenas 30 dias em casa e depois teve que voltar a trabalhar presencialmente, e as crianças ficaram sob os cuidados da avó. Mesmo assim, sem poder ir a outros lugares e viajar, a convivência foi muito próxima e tudo mudou. 

“A rotina, as necessidades das crianças acabam sendo outras, e aí a gente vai vendo que elas são carentes, ao mesmo tempo que a gente está presente, estamos ausentes com a correria do dia a dia, mas esse isolamento fez com que a gente se aproximasse mais, então tudo mudou. Mas foi uma mudança para melhor, porque quando a gente tem amor e tem paciência, no final tudo dá certo”.

Para ela, manter o equilíbrio não é tarefa fácil, mas o amor de mãe – e muita paciência – ajudam a segurar os pontos de divergência que ocorrem depois de tanto tempo juntas. “É bem complicado manter o equilíbrio com uma criança de 7 anos e uma quase adolescente de 13 anos desesperada para sair da toca, mas a gente respira fundo, pede a Deus orientação e segue em frente. E pensar no amor, que é o maior de todos os sentimentos, no respeito mútuo e pensar que dias melhores vão vir e que tudo isso é um aprendizado para que a gente consiga evoluir”.

Relações afetadas

Dividir o mesmo espaço, mesmo com quem se ama, 24 horas por dia, não tem sido nada fácil. As famílias precisam de regras e paciência para não abalar a relação mães e filhos, já que a rotina dentro de casa, há mais de um ano, teve que ser refeita, como detalha o psicólogo Marcelo Alves, professor de psicologia na Universidade Presbiteriana Mackenzie Campinas.

Leia Também:  Banco do Brasil pretende levar wi-fi gratuito a até 500 municípios

“A rotina teve que ser reinventada tendo em vista que você tem num mesmo espaço: escritório, lar, creche, escola, casamento, filhos, profissão. A rotina foi atravessada por inúmeros fatores, alguns externos, como o home office, então isso afeta a relação familiar, tendo em vista que às vezes a criança não entende que o pai e a mãe estão num escritório e a criança quer atenção mesmo tendo os pais ali”.

E em especial, a mulher acabou nesse momento tendo preocupações adicionais. “Levando-a a ter que se desdobrar e reinventar a rotina familiar”, disse o psicólogo. “Por um lado há uma aproximação muito grande. Agora a escola também está dentro de casa, e a mãe também tem que dar condições nesse sentido de dar uma saúde mental minimamente protegida, já que a criança perdeu muito seus espaços de brincar”.

A jornalista Rebeca Maria Paroli Makhoul, mãe do Thiago, de 6 anos, e do João Gabriel, de 10 anos, sabe da importância de prestar atenção nas questões emocionais de seus filhos. “Não está sendo fácil para ninguém, nem para as crianças, eles choram com mais facilidade, ficam tristes por não poderem brincar com os amigos, ir na casa deles, de não poder ir até a casa dos avós. Será o segundo dia das mães sem ver as avós. Eu me preocupo com as sequelas emocionais que essa pandemia deixará em todos nós, principalmente nas crianças. Sinto eles com muito medo e acredito que as crianças concretizam o medo, o medo do monstro, na realidade, deve ser o medo que nós, adultos, passamos para eles”.

Para amenizar, ela faz diferentes atividades com as crianças. “Para manter o equilíbrio emocional, procuro distraí-los, saio um pouco com eles para passear com o cachorro, fazemos algumas comidas especiais em casa, assistimos séries juntos e principalmente conversamos abertamente sobre todos os sentimentos deles. Não minto, mas tem coisas que acho que não precisam ser ditas para crianças”, disse Rebeca. 

Apesar dos desafios na relação, ela enfatiza que a possibilidade de ficar mais tempo com eles foi o melhor que poderia ter acontecido. “As mudanças positivas foram as leituras diárias em família, as brincadeiras em família que temos tempo para fazer e depois que isso tudo passar quero ter um tempo para manter isso também”.

“Nossa rotina mudou”, acrescenta. “Acordam mais tarde, dormem mais tarde, ficam mais tempo com eletrônicos. Mas não cobro muito deles, penso que vai ser algo que vai passar e quando percebo que realmente há um exagero, vou brincar com eles”.

Leia Também:  Vaticano anuncia para 27 de abril canonizações de João XXIII e João Paulo II

Rotina evita estresse

O psicólogo Marcelo Alves orienta a ter muito diálogo e a determinação de uma rotina para manter o equilíbrio das relações nesse período, sem data para terminar. “Manter uma rotina ajuda muito nas relações porque diminui o estresse. As relações, para serem equilibradas, a gente tem que atender as necessidades que cada um apresenta, é um ponto importante a ser negociado, cada uma terá em um momento do dia necessidades que deverão ser atendidas, e essas necessidades deverão ser negociadas”. 

Marcelo Alves defende que a organização ajuda muito nas relações. “Negociar, discutir, e principalmente organizar, ajuda muito no equilíbrio das relações. Mas, lógico, percebendo um estresse mais elevado, uma ansiedade exagerada ou mesmo episódios melancólicos e depressivos deve-se pedir ajuda, ter atendimento, porque hoje você pode ter atendimento por profissionais da psicologia e da psiquiatria online, são coisas que também vão ajudar no equilíbrio das relações”, aconselha.

Como nossos pais 

Mesmo com tantas mudanças nas relações, o psicólogo aconselha aos adolescentes e às crianças a aproveitarem o momento. “É natural que você viva o seu mundo, e esse mundo tem que ser dividido com seus pais, mas procure entender que o seu mundo não será invadido, mas deverá ser repensado”, aconselha o especialista, que lembra que o adolescente ou mesmo a criança mais velha já vivem o isolamento no quarto e nas amizades. 

“Eu diria que, com a proximidade, curta mais o seu pai e a sua mãe, afinal de contas estamos passando por um momento que é muito dramático para muitas famílias. Talvez o adolescente e a criança mais velha não queiram ter contato com tudo isso que está acontecendo, mas saiba que a vida é finita e esse momento que está sendo propiciado de proximidade ele deve ser vivido”. 

Mas, para uma boa convivência, coisas do dia a dia precisam ser negociadas, aconselha. “Cozinhar juntos, fazer uma tarefa, jogar videogame juntos, divida um pouco do seu mundo com seus pais, mas também saiba estar e entender o mundo deles, principalmente o mundo da mãe que nesse momento tem dado conta de tantas coisas, saiba também olhar a preocupação que ela tem com você e as coisas do dia a dia”.

“Aproveite bem esse momento, apesar de dramático, não precisa ser triste, tendo que dividir espaços dentro da casa. Conflitos são inevitáveis, mas não permita que eles separem você de sua mãe num momento onde famílias foram separadas drasticamente [pela doença]”, finaliza o professor.

Edição: Fernando Fraga

Fonte: EBC Geral

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA