AMARANTE

ECONOMIA

Consórcio Eco153 vence leilão do sistema rodoviário Tocantins-Goiás

Avatar

Publicado em

ECONOMIA


O Consórcio Eco 153, formado pelas empresas EcoRodovias e GLPX, venceu hoje (29) o leilão do sistema rodoviário BR 153/414/080 Tocantins-Goiás, realizado na bolsa de valores B3, na capital paulista.

O consórcio ofereceu o desconto máximo de 16,25% para o valor de pedágio e R$ 320 milhões de outorga. O outro concorrente, a CCR, também ofereceu o valor máximo de desconto no pedágio, mas uma outorga de R$ 117 milhões. 

Essa foi a primeira licitação que ocorreu com sistema híbrido, baseado no deságio do valor do pedágio e no valor da outorga.

O sistema rodoviário leiloado tem 850,7 quilômetros: de Aliança do Tocantins (TO) à divisa de estado com Goiás (rodovia BR-153/TO); da divisa do estado de Goiás com Tocantins até Anápolis (GO) (rodovia BR-153/GO; de Assunção de Goiás (GO) até Anápolis (rodovia BR-414/GO); do entroncamento com a BR-414 em Assunção de Goiás até o entroncamento com a BR-153 (rodovia BR-080/GO).

A concessão terá duração de 35 anos, prorrogáveis por mais cinco anos. Segundo o edital, está previsto o aporte de R$ 14 bilhões de investimentos em infraestrutura e prestação de serviços, conservação, manutenção, operação, implantação de melhorias e ampliação de capacidade das rodovias. O trecho leiloado é a principal ligação dos estados do Tocantins, do Maranhão, do Pará e do Amapá com o centro-sul do país.

Leia Também:  Dieese: cesta básica sobe em 15 das 17 capitais pesquisadas em outubro

Segundo a Agência Nacional de Transportes Terrestre (ANTT), é estimada a criação de 119.422 empregos (diretos e indiretos) no decorrer do tempo da concessão.

“Os investimentos que serão feitos são muito importantes em duplicação, em segurança, em tecnologia. A gente vai estar melhorando o nível de serviço em uma rodovia que é super importante para o agronegócio, que vai crescer cada vez mais naquela região”, destacou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas.

Edição: Fernando Fraga

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Novo presidente da Eletrobras defende capitalização da empresa

Avatar

Publicados

em


Em sua cerimônia de posse, o novo presidente da Eletrobras, Rodrigo Limp, disse hoje (7) que vai dar sequência às ações já em implementação previstas no plano estratégico e no plano diretor de negócios e gestão da empresa. Ele também defendeu a privatização da estatal.

“O setor elétrico brasileiro demandará investimentos nos próximos 10 anos de mais de R$ 360 bilhões em geração e transmissão. Para que a Eletrobras consolide sua liderança no setor, seja protagonista da expansão do setor elétrico brasileiro, a companhia precisa estar capitalizada com capacidade de investimentos e ter competitividade frente a outros agentes do setor. Nesse sentido, é muito importante avançarmos no processo de capitalização”, afirmou Limp.

A estatal foi incluída no Programa Nacional de Desestatização (PND). Houve a qualificação da empresa dentro do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e, com a inclusão no PND, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) fará estudos técnicos para a estruturação do processo de capitalização. A privatização ainda precisa ser aprovada pelo Congresso Nacional.

Rodrigo Limp iniciou sua carreira na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), foi consultor legislativo em matérias relacionadas a energia, mineração e recursos hídricos na Câmara dos Deputados. De maio de 2018 a março de 2020, exerceu o cargo de diretor da Aneel e, em seguida, o de secretário de Energia Elétrica do Ministério das Minas e Energia. 

Leia Também:  Dólar encosta em R$ 5,80 e fecha no maior valor em 10 meses

Edição: Maria Claudia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA