AMARANTE

Esportes

Coluna – E se o Michael tivesse marcado o gol no fim da decisão?

Publicado em

Esportes


O “SE” não entra em campo e já seria um grande motivo para não tratarmos qualquer assunto relativo ao futebol com essa conjunção adverbial condicional. Isso de forma oficial, visto que nada é capaz de mudar depois de acontecido. Mas, de maneira imaginária, a brincadeira é possível. E eu pergunto: e se aquele chute do Michael, aos 40 minutos do segundo tempo, tivesse entrado?

Para início de conversa, poderia ser o gol decisivo, mas nada nos impede de imaginar que o Palmeiras poderia empatar de novo, ainda mais se pensarmos que, em 2019, o mesmo Flamengo virou sobre o River Plate nos minutos finais. Mas vou seguir com a possibilidade da vitória rubro-negra.

Creio que o Renato Gaúcho não seria o técnico do Flamengo no ano que vem, mas ficaria até o fim da temporada, para encerrar o Brasileirão. As críticas ao comportamento dele na partida contra o Grêmio continuariam sendo decisivas, mas o técnico sairia por cima, com portas mais facilmente abertas em outros clubes. Seria merecedor?

O departamento médico do Flamengo talvez nem passasse por uma reformulação tão drástica, quanto se anuncia. Afinal de contas, em caso de vitória, teria a favor dele o fato de Arrascaeta ter jogado 90 minutos e o time ter suportado a decisão fisicamente bem. A terra já não estaria tão arrasada. Seria um bom negócio para o futuro do Flamengo?

Leia Também:  Real Madrid vence Barcelona e vai à final da Supercopa da Espanha

A torcida estaria pensando numa reformulação grande da equipe, que passaria a contar com bicampeões brasileiros e sul-americanos? Com relação ao time haveria algo de bom: o Andreas Pereira não teria falhado de forma tão bisonha, logo ele que era um dos destaques do jogo.

E o Abel Ferreira? Será que o Palmeiras renovaria o contrato dele? O torcedor palmeirense o acharia um gênio ou um retranqueiro que não soube enfrentar o Flamengo, em nenhum dos jogos da temporada (até então, eram quatro jogos, com três vitórias rubro-negras e um empate, na decisão da Supercopa que ficou no Rio de Janeiro)? O goleiro Weverton ocuparia a vaga de “culpado pela derrota” do Andreas Pereira, por suposta falha no gol do Gabigol?

Nem tudo mudaria, mas muita coisa, sim. E as mudanças são necessárias para se evoluir. É importante observar que a vitória, às vezes, acoberta erros, que são pagos depois, talvez com juros. E da mesma forma a derrota nos abre os olhos, de forma a corrigir um rumo e percorrer um caminho melhor depois. O Flamengo, na final da Libertadores de 2019, jogou mal e ganhou graças à individualidade de Gabigol; não fez um jogo brilhante contra o River Plate. Ganhou o Brasileirão de 2020 porque o Internacional, na última rodada, não marcou sequer um golzinho contra o Corinthians. São dois fatores reais, por mais doloroso que possa ser para o coração de um rubro-negro que está lendo agora.

Leia Também:  No Barcelona, Neymar e Messi não 'se misturam'

Não estou dizendo, com isso, que o Flamengo não tenha merecido. De forma alguma! Mas foram dois sinais de que o time de outro patamar já não estaria sozinho nesse degrau mais alto, quando os adversários mais fortes e próximos fizessem um investimento melhor. O Flamengo ainda tem os melhores jogadores? É possível, mas tanto o Palmeiras, quanto o Atlético-MG, chegaram ao patamar rubro-negro. Com uma diferença: ao longo de 2021, ambos tiveram apenas um técnico. E talvez essa tenha sido a diferença, na hora da decisão.

A rivalidade estadual ainda existe, mas os adversários do Flamengo, agora, são de outros estados. Se a torcida aceitar, o Estadual deveria ser o período de preparação para as grandes competições, onde estão os novos rivais. Resta saber se ela tem essa compreensão. O problema é que o “SE” não entra em campo.

Sergio du Bocage é apresentador do programa No Mundo da Bola, da TV Brasil

Edição: Verônica Dalcanal

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

Esportes

WSL anuncia calendário do Circuito Mundial de Surfe

Publicados

em


A WSL (Liga Mundial de Surfe) anunciou nesta terça-feira (18) todas as etapas do Circuito Mundial da modalidade. Os destaques ficaram pela realização do WSL Finals (etapa que define os campeões mundiais) na praia de Lower Trestles, em San Clemente, Califórnia (Estados Unidos), e o retorno de uma etapa no Brasil após um hiato de dois anos, em Saquarema (Rio de Janeiro) entre 23 e 30 de junho.

Esta será a segunda vez em que os campeões mundiais serão conhecidos no evento de um dia único realizado em Lower Trestles, na janela de competições de 8 a 16 de setembro. A decisão, segundo o diretor-executivo da WSL, Erik Logan, foi tomada porque “a edição inaugural do Rip Curl WSL Finals foi um grande sucesso”.

“Ver os cinco melhores do ano se enfrentando em ondas incríveis e os títulos mundiais feminino e masculino sendo decididos no mesmo dia, na água, pela primeira vez, foi muito especial. Esse novo formato cativou nosso público e impulsionou o esporte como nunca visto antes. Foi o dia com a maior audiência digital da história das transmissões ao vivo da WSL. Então, estamos todos empolgados em retornar para Lower Trestles nesta temporada”, declarou o dirigente.

Porém, antes da grande decisão, o circuito mundial fará 10 paradas. A primeira será em Pipeline (Havaí), entre 29 de janeiro e 10 de fevereiro. A etapa derradeira, antes do WSL Finals, é em Teahupoo (Taiti), de 11 a 21 de agosto.

Leia Também:  Artilheira do Brasileiro Feminino, Bia Zaneratto retorna ao Palmeiras

Além disso, merece destaque o retorno da etapa brasileira, em Saquarema (Rio de Janeiro), entre 23 e 30 de junho.

Edição: Fábio Lisboa

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA