AMARANTE

ECONOMIA

Agricultura lança programa para financiar irrigação no Nordeste

Avatar

Publicado em

ECONOMIA


O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento lançou nesta quinta-feira (29) o Programa de Fomento à Agricultura Irrigada do Nordeste (Profinor). A iniciativa pretende aplicar R$ 900 milhões entre 2021 e 2024 para a implantação de projetos de irrigação ou expansão e aperfeiçoamento de áreas que já contam com esse sistema na região. O agente financeiro do programa será o Banco do Nordeste, por meio de recursos do Fundo Constistucional do Nordeste (FNE).

Principal produtor de frutas frescas do país e responsável por 80% das exportações do setor, a Região Nordeste tem um quarto da área irrigada do Brasil, mas ainda pode expandir essa participação.

“O Nordeste tem um enorme potencial agropecuário, mas é limitado pelas suas dificuldades hídricas. Historicamente, a região tem sofrido muito com esses problemas, que atinge também o norte dos estados de Minas Gerais e do Espírito Santo, e prejudicam sobremaneira os produtores rurais dessas regiões, especialmente aqueles pequenos e médios, cujos recursos são geralmente escassos”, afirmou a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, durante o evento de lançamento do programa, que foi transmitido pelas redes sociais da pasta.

Leia Também:  Ford faz acordo com Procon-SP e promete manter assistência no Brasil

Segundo o Banco do Nordeste, o Profinor oferecerá aos produtores prazos adequados e menores taxas, por meio de linhas de financiamento já existentes, como os programas de financiamento à agropecuária irrigada (FNE Irrigação), de financiamento à sustentabilidade ambiental (FNE Verde), de Financiamento à Inovação (FNE Inovação) e de Financiamento a Projetos de Energia Solar (FNE Sol).

Além disso, destacou a ministra, os produtores contarão com assistência técnica especializada para viabilizar os projetos. “Pequenos e médios produtores poderão ter acesso facilitado tanto a recursos para implantação ou expansão de projetos de irrigação e drenagem, como à assistência técnica especializada para que os projetos sejam economicamente viáveis e ambientalmente sustentáveis”, afirmou Tereza Cristina.

O Profinor também vai financiar projetos de energia solar e eólica em propriedades rurais e tem como meta promover a regularização fundiária de 150 mil propriedades rurais na região, a reconversão de 8 mil hectares de áreas degradadas e o incremento de 80 mil hectares em área irrigada, pelos próximos quatro anos.

Edição: Nádia Franco

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

FGV: atividade econômica cresceu 1,7% no 1º trimestre

Avatar

Publicados

em


A atividade econômica cresceu 1,7% no primeiro trimestre de 2021, na série dessazonalizada, em comparação com o quarto trimestre de 2020. Na comparação com o primeiro trimestre do ano passado, o crescimento foi de 1,6%. Levando em conta o mês de março, houve queda de 2,1% em relação a fevereiro e crescimento de 5,2% na comparação com março de 2020.

Os dados são do Monitor do Produto Interno Bruto (PIB), divulgado hoje (17) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). De acordo com o coordenador do Monitor do PIB-FGV, Claudio Considera, o desempenho positivo na comparação com o trimestre anterior surpreendeu, embora mostre a fragilidade do crescimento na comparação mensal, em decorrência da pandemia de covid-19.

“Este crescimento foi observado tanto nos três grandes setores de atividade, quanto nos componentes da demanda. No entanto, na comparação mensal, o fraco desempenho de março, frente a fevereiro mostra a fragilidade deste crescimento, dado o acirramento das medidas de isolamento social em diversas cidades brasileiras. A necessidade de adoção de novas medidas de isolamento foi devida à piora da pandemia no Brasil, com o aumento do número de casos de contágio e de mortes a partir do final de fevereiro”.

Para o economista, os resultados evidenciam a importância de se acelerar a vacinação da população contra a covid-19, como primeiro passo “para que a economia possa crescer de forma mais sustentável a longo prazo”.

Leia Também:  Ford faz acordo com Procon-SP e promete manter assistência no Brasil

O Ibre/FGV informa que houve a necessidade de se fazer um ajuste sazonal adicional na análise apresentada hoje, devido à influência da pandemia em 2020 e em 2021. Caso contrário, o resultado do trimestre seria de 1,0%, se fossem usados os mesmos fatores sazonais aplicados até 2019. Com os mesmos fatores, a variação de março seria positiva em 2,6%.

Em valores, a estimativa para o PIB do primeiro trimestre de 2021 foi de R$ 2,113 trilhões.

Indicadores

Os dados do Ibre/FGV indicam que o consumo das famílias diminuiu 1,2% no 1º trimestre, em relação ao mesmo período do ano passado. Por setores, houve crescimento apenas no consumo de produtos duráveis, de 8,2%, o que contribui com 0,8% de aumento no indicador. O consumo de serviços pelas famílias continua como o principal responsável pelo desempenho negativo global do consumo, com queda de 2,8%.

A formação bruta de capital fixo cresceu 10,4% no primeiro trimestre, na comparação anual. Todos os componentes do indicador tiveram aumento, com destaque para máquinas e equipamentos, devido à importação de plataformas de exploração de petróleo.

Leia Também:  Leilão de biodiesel tem 1 bi de litros arrematados para maio e junho

No mesmo período, a importação subiu 6,5%, influenciada pelo crescimento elevado de bens intermediários e produtos da extrativa mineral. A importação de serviços segue em queda, apesar de menor do que as registradas no segundo semestre do ano passado.

A exportação cresceu 0,5% no primeiro trimestre deste ano, em comparação ao mesmo período do ano passado. As principais contribuições para a ligeira alta foram dos setores de bens de capital e de bens de consumo, impulsionados pelo crescimento do consumo de não duráveis e de duráveis. Os produtos agropecuários, os bens intermediários e os serviços apresentaram queda na exportação no período analisado.

A taxa de investimento no primeiro trimestre de 2021 foi de 17,1%, em valores correntes. Com isso, a média das taxas de investimento trimestrais desde o 1º trimestre de 2000 ficou em 17,9% e a média das taxas de investimento trimestrais desde o 1º trimestre de 2015 ficou em 15,8%.

O instituto informou que nesta divulgação ainda não foram atualizadas as informações referentes as alterações na contabilização das plataformas de exploração de petróleo na formação bruta de capital fixo.

Edição: Maria Claudia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CIDADES

PIAUÍ

POLÍCIA

POLÍTICA

MAIS LIDAS DA SEMANA