10:51 pm - sexta-feira novembro 17, 2017

Três homens são presos após estuprarem mulher e transmitirem ao vivo pelo Facebook

Edição e postagem: Denison Duarte, em 24-01-2017 23:36 | Última modificação: 24-01-2017 23:56
Hospital de Olhos

Estuprada ao vivo – A polícia sueca prendeu três homens suspeitos de estuprar uma mulher e fazerem a transmissão ao vivo pelo Facebook.

O crime, de acordo com a rede CNN, aconteceu em um apartamento, a 50 Km ao norte da capital, Estocolmo.

A polícia de Uppsala County disse em nota que foram informados do ocorrido no último domingo (22), por volta das 8h24.

“Este estupro foi transmitido ao vivo em um grupo do Facebook e várias pessoas fizeram o contato após ver esta transmissão”, disseram.

“A polícia foi até o apartamento onde havia três homens e uma mulher, os três foram detidos no local e depois presos pelos promotores no domingo”.

Os policiais afirmaram ainda que o caso está sendo tratado como estupro agravado.

À CNN o procurador-geral adjunto, Magnus Berggren, disse que os suspeitos estão sob custódia e que a investigação vai continuar.

A transmissão aconteceu em um grupo fechado “onde você poderia postar coisas bastante especiais. Mesmo para esse grupo isso não era nada normal.”

Magnus afirmou ainda que a mulher não parecia estar plenamente consciente. “Ela estava embriagada, não estamos realmente certos de como realmente aconteceu”, disse ele.

Os presos têm entre 19 e 25 anos, enquanto a vítima tem aproximadamente 31 anos.

O Facebook permite que transmissões sejam feitas ao vivo. A filmagem foi excluída, segundo Magnus.

O procurador pediu apoio ao Facebook nos Estados Unidos nas investigações. “Este é um crime horrível e não toleramos esse tipo de conteúdo no Facebook”, disse um porta-voz do Facebook à CNN em um comunicado.

“Apoiamos as autoridades locais que fazem pedidos de dados relacionados a investigações criminais, particularmente quando se trata de segurança dos jovens, respondendo a pedidos válidos relacionados a processos criminais”.

Com informações da CNN