12:05 am - quarta-feira novembro 22, 2017

Polícia faz a maior apreensão de drogas dos últimos 20 anos no Piauí

Edição e postagem: Leomar Duarte, em 13-01-2014 12:52 | Última modificação: 13-01-2014 12:52
Hospital de Olhos

Quase 5.500 quilos de drogas foram apreendidos pela Polícia Civil no Piauí, em 2013. O balanço da Delegacia de Entorpecentes revela que há 20 anos não é registrado um número como esse no Estado. O crescimento do ano passado em relação a 2011 foi de 4.104%, quando foram encontrados 134 quilos de entorpecentes, e de 1.141% em relação a 2012, ano em que a Polícia recuperou 482 quilos.

De acordo com o balanço, maconha, crack e cocaína, chamadas drogas orgânicas, lideraram a lista de apreensões nas cidades mais populosas do Estado, a exemplo de Teresina, Parnaíba e Picos, onde a Polícia Civil concentrou o maior número de operações. “Quanto maior a procura, maior a oferta. Por isso, as cidades mais populosas concentraram a maioria das operações”, frisa o delegado titular da Entorpecentes, Willame Morais.

O delegado destaca que o aumento das apreensões significa que um grande volume de droga deixou de circular graças ao alargamento do trabalho investigativo da Delegacia de Entorpecentes e ampliação do banco de dados da Polícia, que dispõe de locais e tipos de entorpecentes, perfil do traficante e também do usuário. “Passamos a utilizar algumas técnicas de investigação que amplia o banco de dados e nos fornece informações sobre onde, para onde, de quem e para quem a droga é vendida”, ressalta.

O delegado, que passou a integrar a Delegacia de Repressão a Entorpecente em abril de 2012, enfatiza, ainda, que outro fator primordial para o crescimento das apreensões se refere ao pessoal. Em 2011, a delegacia dispunha de quatro policiais para investigação e dois delegados; hoje, a equipe conta com 10 policiais e três delegados.

De acordo com a Polícia Civil, em 2014, a equipe vai interiorizar ainda mais as ações da Delegacia de Entorpecentes e já começou com operação no município de Batalha. “Primeiro, é feita a investigação, depois, a identificação de quem fornece e para quem e, por último, o planejamento e desencadeamento dos mandatos de busca”, finaliza o delegado titular.

Fonte: portalaz

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE