2:00 pm - sábado novembro 18, 2017

Falsário é preso ao se apresentar em quartel da PM como policial no Piauí

Edição e postagem: Leomar Duarte, em 18-04-2014 14:10 | Última modificação: 18-04-2014 14:10
Falsário é preso ao se apresentar em quartel da PM como policial no Piauí

Hospital de Olhos

Um homem de 34 anos foi preso ao se passar por um falso policial nesta quinta-feira (17), em Jaicós, a 366 km ao Sul de Teresina. De acordo com o capitão Lindomar Félix, Alexandro Brites, se apresentou na 3ª Companhia de Polícia Militar, como aspirante da corporação.

“Ele estava vestido com o fardamento completo. O argumento dele era de que fazia parte da Academia Pré-Militar Independente do Brasil e estava na região para implantar um curso básico de formação de instrutores. Duvidamos e começamos a fazer várias perguntas para o homem”, contou o capitão.

Ainda de acordo com Lindomar Félix, para não levantar suspeita, o falso policial usava o argumento de que o curso era feito em parceira com os batalhões dos municípios. “Dessa forma ninguém iria desconfiar que o curso fosse falso. Depois de várias perguntas ele começou a entrar em contradição. A farsa durou pouco. Consultado o banco de dados do INFOSEG, rede que reúne informações de segurança pública dos órgãos de fiscalização de todo o Brasil, constatamos que Alexandro tem uma extensa ficha criminal, com passagens pela polícia nos Estados do Mato Grosso, Pernambuco, Sergipe e Ceará”, relatou o oficial.

O capitão afirmou que o homem já vinha praticando o crime há bastante tempo. “Com o falso policial, além das vestimentas, foi encontrada uma pasta com farta documentação, de origem duvidosa, broches, símbolos militar e pen drives. Segundo informou à polícia, além de Jaicós, o estelionatário já teria passado em outros dois municípios piauienses como Campo Grande do Piauí e Buriti dos Lopes”, destacou o militar.

Em depoimento à polícia, o falsário contou que sempre sonhou em exercer a profissão. “Ele tem passagem por vários presídios e tinha mandados de prisão em abertos. Mas alegou que sempre sonhou em ser policial, só que da pior forma possível”, finalizou o capitão.

O suspeito vai responder pelos crimes de falsidade ideológica, falsificação de documento público e estelionato, e pode pegar até dez anos de prisão.

Fonte: Portal G1 Piauí