12:26 am - segunda-feira outubro 23, 2017

Polícia Civil de Água Branca prende 4 por estupro de vulnerável; uma mulher está envolvida

Edição e postagem: Denison Duarte, em 14-06-2017 18:55 | Última modificação: 15-06-2017 09:57
Polícia Civil de Água Branca prende 4 por estupro de vulnerável; uma mulher está envolvida

Foto: Denison Duarte

Hospital de Olhos

ESTUPRO DE VULNERÁVEL – A Polícia Civil de Água Branca cumpriu quatro de cinco mandados de prisão preventiva expedidos pelo juiz Dr. Francisco Chagas Ferreira, da Comarca de Água Branca, nesta quarta-feira (14). Eles são acusados de estupro de vulnerável no município de Lagoinha do Piauí, envolvendo uma adolescente, de 14 anos.

De acordo com o delegado da 11ª Delegacia Regional de Polícia Civil, Tiago Damasceno Sousa, não se trata de estupro coletivo, mas de abusos que aconteciam de forma isolada envolvendo os quatro criminosos, todos com mais de 50 anos de idade. Uma mulher era partícipe no caso.

Eles foram identificados como Silvestre Gomes da Silva, Francisco José Soares da Costa, Djalma Gonçalves da Silva e Francinete Sousa Silva Costa. Esta última é esposa de Francisco José Soares da Costa. Um dos acusados, conhecido como Júnior CD’s, está foragido.

Silvestre Gomes da Silva é Policial Militar aposentado, e também está preso com os demais envolvidos no crime.

A menor, segundo informações do Conselho Tutelar à polícia, estava sendo estuprada desde os 11 anos, completando três anos da prática rotineira dos abusos. Todos estão presos em Água Branca e podem pegar de 8 a 15 anos de prisão.

“Essa informação do crime chegou até nós através do Conselho Tutelar. Ela (a vítima) informou, a princípio, que apenas três homens estavam cometendo esses abusos, mas, posteriormente retornou dizendo que teria mais um casal. Ela não teria dito porque estaria sendo ameaçada”, disse o delegado ao assegurar que a ameaça de morte era também contra a família.

O modus operandi dos envolvidos, segundo a Polícia Civil, eram sedução por doações de dinheiro para a menor em razão da dificuldade financeira da família.

“Nós, o delegado Ricardo e eu, representamos pela prisão preventiva dos cinco. A menina é de origem humilde e de baixo poder aquisitivo. Os autores abusaram desse momento dela. Eles começaram a levá-la para a residência deles sempre oferecendo R$ 2,00 ou R$ 3,00, e ela terminava levando um saco de arroz para casa”, completou.

As investigações da Polícia Civil duraram cerca de dez dias, e vão continuar até a prisão do acusado foragido. A Polícia não descarta a possibilidade de outros envolvidos na prática criminosa.

Os acusados disseram quantas vezes tinham praticado o abuso contra a menor, mas, de acordo com o delegado, “a menina contou tudo, e com riqueza de detalhes: como tudo acontecia e em que local da casa eram praticados os abusos”.

A mulher envolvida, Francinete Sousa Silva Costa, sabia dos abusos do esposo Francisco José contra a menina. O delegado afirma que “ela era responsável por levar a menor até a residência onde o marido estava e saía para trabalhar para o marido cometer os abusos”

“Vale ressaltar que não houve estupro coletivo. Cada um fazia no seu momento, na sua casa de acordo com a conveniência de cada um. Os atos eram individualizados e não de forma coletiva”, explicou o delegado.

Os agressores estão recolhidos na Unidade da Delegacia de Água Branca. Todos moravam próximo à vítima. “A gente agora vai em busca de mais informações, já que o lugar (Lagoinha do Piauí) é pequeno, para saber se há outros envolvidos nos abusos.”

Assustada, a vítima forneceu as informações ao Conselho e à Polícia. “Ela estava com muito medo. E agora com essas prisões, ela vai ter coragem de falar se tem outras pessoas envolvidas”, encerrou o delegado.

A mãe da vítima, segundo a polícia, não sabia dos abusos à filha. A vítima guardava as informações, mas chegou a compartilhar com alguém que contou para o Conselho Tutelar, que imediatamente denunciou.

A Polícia Civil de Água Branca relata que está fechando o cerco na região em razão da grande quantidade de ocorrências do gênero envolvendo mulheres, crianças e adolescentes. Uma das iniciativas da polícia é buscar um Núcleo de Atendimento à Mulher.

Estupro de vulnerável | Acusados presos pela Polícia Civil de Água Branca (Vídeo Leomar Duarte | Foto: Denison Duarte)