7:31 am - segunda-feira novembro 20, 2017

Delegada pede para população não depredar casa de Bernardo

Edição e postagem: Denison Duarte, em 20-04-2014 23:53 | Última modificação: 20-04-2014 23:53
Delegada pede para população não depredar casa de Bernardo

Hospital de Olhos

delegada Caroline Bamberg Machado da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, responsável pelo caso Bernardo, pediu às pessoas para não depredarem a casa onde o menino morava. Por meio de uma postagem no Facebook, ela reforça que perícias ainda precisam ser feitas no local para continuar a investigação da morte dele.

 Relembre casos de crianças e adolescentes que foram vítimas de violência

Segundo a delegada, algumas pessoas divulgaram pela internet que planejavam depredar e colocar fogo na casa. “Quero fazer um apelo a todos: fiquei sabendo que tem pessoas que querem depredar ou colocar fogo na casa em que o Bernado morava. Peço encarecidamente que desistam dessa ideia, eis precisamos ainda realizar perícias no local. Isso pode ser imprescindível para a investigação! Ainda temos que pensar que, fazendo isso, vão prejudicar a investigação e colocar em risco outras casas e pessoas que nada tem haver (sic) com isso. Compartilhem esse apelo por favor”, dizia o post de Caroline.

Bernardo Uglione Beldrini, de 11 anos, desapareceu no dia 4 de abril em Três Passos (RS). Dez dias depois, seu corpo foi encontrado em um saco plástico enterrado às margens do Rio Mico, na cidade de Frederico Westphalen. O pai Leandro Boldrini, a madrasta Graciele Ugulini e a amiga do casal Edelvânia Wirganovicz foram presos como principais suspeitos.

Páginas nas redes sociais sobre o caso demonstram revolta das pessoas e reúnem a população para manifestações de soliedariedade. A página “Desaparecido – Bernardo Boldrini” contava com cerca de 73 mil curtidas no Facebook até a publicação desta notícia.