10:24 am - terça-feira novembro 21, 2017

Apreendidos R$ 10 milhões que seriam de agiota

Edição e postagem: Denison Duarte, em 01-12-2013 19:36 | Última modificação: 01-12-2013 19:36
Apreendidos R$ 10 milhões que seriam de agiota

Hospital de Olhos

Após 10 meses de investigação sobre suspeita de agiotagem e lavagem de dinheiro, a Polícia Civil apreendeu cerca de R$ 10 milhões em cheques em Lajeado, no Vale do Taquari. Agentes cumpriram dois mandados de busca e apreensão, na casa e no escritório de um homem de 31 anos, nesta sexta-feira, e apreenderam ainda documentos e equipamentos. Ninguém foi preso.

De acordo com o delegado Silvio Huppes, o suspeito é dono de uma lavagem de carros no Centro de Lajeado. O foco da investigação, agora, é descobrir a origem dos cheques, cujo valor, segundo Huppes, seria “incompatível” com o empreendimento do suspeito.

— Vínhamos investigando ele há tempo, mas não imaginávamos encontrar esse valor tão alto, que ainda não foi totalmente contabilizado, estimamos que pode ser entre R$ 10 milhões e R$ 11 milhões — afirma o delegado.

Nas folhas de cheques encontradas, os valores seriam diversos, alguns com assinatura de R$ 400 e outros de até R$ 150 mil. Os emissores e destinatários dos cheques também serão investigados.

Conforme Huppes, o suspeito já tinha contra ele denúncias por ameaças de morte, fruto de dívidas não pagas, mas não havia provas. Isso mudou no início deste ano, quando uma vítima registrou disparos de arma de fogo contra uma casa, que teriam ocorrido após desentendimentos em uma negociata, o que levou à abertura do inquérito.

— Ainda é cedo para tirar conclusões, mas temos suspeitas de que ele (o suspeito) esteja envolvido em diversos crimes, como roubo de carros, e até que ele recebia investimentos de pessoas que emprestavam um certo valor e recebiam mais depois — relata o delegado.

A investigação ainda apura o envolvimento do empresário em empreendimentos imobiliários em Lajeado, incluindo “grandes” investimentos, revela Huppes. Detalhes e suspeitas ainda são preservados pela polícia, pois as provas ainda estão sendo analisadas e testemunhas devem ser ouvidas para esclarecer alguns pontos.