7:31 pm - domingo novembro 19, 2017

Defesa Civil alerta para risco de mortes por falta de água no Piauí

Edição e postagem: Leomar Duarte, em 11-06-2014 13:25 | Última modificação: 11-06-2014 13:25
Defesa Civil alerta para risco de mortes por falta de água no Piauí

Hospital de Olhos

A secretária estadual de Defesa Civil, Simone Araújo, negou a informação de que a suspensão no fornecimento de água potável na região de Picos seja por falta de prestação de contas, como informou o Ministério da Integração Nacional.

No Piauí, o serviço foi suspenso em mais de 30 cidades do Sul. Estão parados os caminhões responsáveis pelo abastecimento e os veículos da Defesa Civil. Em Pio IX, por exemplo, 3 mil cisternas podem ficar sem água até o final de junho e dos 56 poços tubulares existentes, apenas quatro têm água potável.

“Estamos sem água nenhuma. Pedimos socorro. Isso não é brincadeira, é sede humana”, declarou a prefeita do município, Regina Coeli Viana.
O Ministério da Integração Nacional informou que desde 2012 o governo federal disponibilizou R$ 46 milhões para socorro e assistência, incluindo o serviço de carros-pipa. Além disso, empenhou R$ 8 milhões para a recuperação de poços. Entretanto, até o momento o governo do Piauí não encaminhou prestação de contas do recurso utilizado e ainda solicitou a prorrogação desse prazo. O Ministério ressaltou, entretanto, que em nenhum momento o recurso para a operação carro-pipa foi suspenso.
A secretária da Defesa Civil do Piauí argumenta que, em nenhum momento, o Ministério da Integração informou sobre a falta de prestação de contas. “Pelo contrário. Eles alegaram falta de recursos. Eu estranho essa informação. Quando assumi, o serviço já estava parado. Desde janeiro a solicitação para a liberação de recursos está em Brasília”, argumentou.
Simone Araújo fez um apelo para os parlamentares da bancada piauiense em Brasília. “Os prefeitos estão desesperados porque até o Exército está parado. Peço a bancada para se unir em torno disso, do contrário, não serão só animais que irão morrer de sede, mas também as pessoas. A situação está gravíssima”, alertou.
Fonte: Cidade Verde