5:30 pm - terça-feira novembro 21, 2017

Petroleiros tentam impedir leilão de gás; veja

Edição e postagem: Denison Duarte, em 27-11-2013 23:29 | Última modificação: 27-11-2013 23:47
Hospital de Olhos

Ainda de ressaca pela intensa campanha salarial e as manifestações contra o leilão do campo de Libra, os petroleiros decidiram tentar derrubar o leilão de gás programado para quinta-feira (28) apenas na Justiça, informou nesta quarta-feira o diretor da FUP (Federação Única dos Petroleiros), José Maria Rangel.

Nenhuma manifestação está programada para a porta do evento, afirmou o sindicalista.

No leilão de Libra, em 21 de outubro, o governo colocou o Exército e a Força Nacional para garantir a venda, depois que os petroleiros ameaçaram interromper o leilão. Apesar das manifestações e também de ações na Justiça, o leilão de Libra foi realizado sem maiores problemas.

Rangel informou que entrou ontem com uma ação popular na 17ª Vara Cível da Justiça Federal do Rio de Janeiro contra a 12ª rodada de licitações da ANP (Agência Nacional do Petróleo), argumentando que o país não tem regras claras para a exploração de gás não convencional, foco do leilão de amanhã.

O gás não convencional não está solto no reservatório como o gás convencional, e precisa utilizar uma técnica de fraturamento da rocha, condenada por ambientalistas.

“Não temos legislação específica para o fraturamento, como fazer um leilão sem regras?”, questiona Rangel.

A exploração do gás não convencional ganhou destaque nos últimos anos depois que os Estados Unidos intensificaram sua exploração, conseguindo com isso reduzir o preço do gás natural no mercado interno para cerca de um terço do preço no mercado internacional.

Além de perfurar mais poços do que a exploração convencional, a produção do gás não convencional requer a utilização de produtos químicos e um grande volume de água.

“Até hoje o povo do Tio Sam não sabe o que fazer para descartar essa água contaminada, após mais de 20 anos de exploração”, alerta a FUP em seu site.

A própria diretora-geral da ANP, Magda Chambriard, admitiu em entrevista à Folha esta semana que as regras para o fraturamento só devem ser publicadas no início do ano que vem. Ela descartou no entanto riscos ambientais, afirmando que a resolução que será emitida vai proteger o meio ambiente e a sociedade, apesar de publicada após o leilão.