7:02 pm - segunda-feira novembro 20, 2017

Economia encolhe 1,9% no 2º trimestre e Brasil volta a entrar em recessão

Edição e postagem: Denison Duarte, em 28-08-2015 10:07 | Última modificação: 28-08-2015 10:09
Hospital de Olhos

A economia brasileira encolheu 1,9% segundo trimestre deste ano em relação ao trimestre anterior, e 2,6% em relação ao segundo trimestre de 2014, segundo os dados do PIB (Produto Interno Bruto). Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (28) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Nos três primeiros meses do ano, a economia brasileira já havia diminuído 0,2%.

O segundo trimestre seguido de recuo mostra que o Brasil está em recessão técnica. Já havia ocorrido recessão técnica no ano passado, com resultados negativos do PIB no primeiro e no segundo trimestres.  O IBGE também revisou para baixo o PIB do primeiro trimestre deste ano (de -0,2% para -0,7%) e do último trimestre de 2014 (de +0,3% para 0%). Ou seja, o desempenho da economia foi pior do que havia sido divulgado anteriormente.  Se comparado o primeiro semestre de 2015 com o mesmo período de 2014, houve uma queda de 2,1%, aponta o IBGE.

No acumulado de 12 meses, o PIB registrou queda de 1,2% em relação aos quatro trimestres imediatamente anteriores.  Em valores correntes, o PIB no segundo trimestre de 2015 alcançou R$ 1,428 trilhões. O PIB é a soma de tudo o que é produzido no país. Os dados consideram a metodologia atualizada do cálculo. Todos os setores caem em relação ao 1º trimestre Na comparação com os três primeiros meses do ano, os três setores da economia encolheram: agropecuária retraiu 2,7%, indústria caiu 4,3% e serviços, perdeu 0,7%.

A indústria de construção civil tombou 8,4%. Já o comércio encolheu 3,3%. Só agropecuária cresce na comparação com 2014 Quando comparado a igual período do ano anterior, o desempenho da economia só não foi pior graças à agropecuária, que cresceu 1,8%, graças a algumas safras do segundo trimestre e à boa produtividade de produtos como soja (+11,9%), milho (+5,2%) e arroz (+4,4%). Só café (-2,2%) e feijão (-4,1%) tiveram queda de produção em relação ao ano passado.

A indústria sofreu queda de 5,2%, puxada principalmente pelo tombo de 8,3% da indústria de transformação, que inclui produção de veículos e produtos derivados do petróleo, entre outros. A atividade de eletricidade e gás, água, esgoto e limpeza urbana também registrou queda (-4,7%), puxada pelo menor consumo de energia pelas indústrias e empresas. Já o setor de serviços encolheu 1,4%, na comparação com o segundo trimestre de 2014.

O comércio atacadista e varejista despencou 7,2%. Estimativas para o ano Economistas consultados pela agência de notícias Reuters esperavam que a economia tivesse encolhido 1,7% em relação ao trimestre anterior, e registrado queda de 2% em relação ao segundo trimestre de 2014. Até o fim do ano, o governo espera que o PIB encolha 1,49%, de acordo com a previsão do Ministério do Planejamento. Por sua vez, analistas de mercado consultados pelo Banco Central para o boletim Focus esperam queda de 2,06%.

O FMI (Fundo Monetário Internacional) prevê resultado negativo em 1,5%. (Com agências de notícias)  Saiba o que é PIB Veja como são feitos os cálculos do Produto Interno Bruto e quem contribui nessa conta Entenda Ampliar Cebola, tomate, loteria e conta de luz: veja os vilões da inflação no 1º semestre16 fotos 8 / 16 O preço do abacate subiu 28,97% no primeiro semestre de 2015, de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)

Fonte: UOL Economia