8:15 am - terça-feira novembro 21, 2017

BC amplia atuação no câmbio na tentativa de conter alta do dólar, que fecha em R$ 3,57

Edição e postagem: Denison Duarte, em 06-08-2015 22:30 | Última modificação: 06-08-2015 22:31
Hospital de Olhos

No dia em que o dólar encostou em R$ 3,57, o Banco Central decidiu que vai intervir no mercado de câmbio de forma mais intensa, ao ampliar de 6 mil para 11 mil a oferta de contratos de rolagem de swap cambial. O uso desse instrumento financeiro, na prática, fará com que o BC coloque mais dólares no mercado a cada dia para tentar conter a alta da moeda norte-americana, que engatou uma trajetória de elevações.

Nesta quinta-feira, o diretor de Política Monetária do Banco Central, Aldo Mendes, já havia ido a público tentar acalmar o mercado financeiro “no gogó”. Segundo ele, o nível atual de câmbio está “muito além ou acima” do que seria explicado pelos fundamentos econômicos do Brasil. “Mesmo considerando delicado o momento político do País, o preço do dólar está claramente esticado”, afirmou.

Para o diretor, comprar a moeda nos níveis atuais em que a cotação está pode representar um risco potencial de perda para o investidor no médio prazo. “Entendo que os agentes estão atuando aparentemente com pouca racionalidade”, observou. A estratégia do diretor hoje foi a de acionar veículos de imprensa que têm foco no mercado financeiro. Ao Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado, o contato foi feito por meio da assessoria de imprensa do BC.

A tendência de elevação da moeda não é nova. Em 12 meses, já há uma alta de 55,74%. Chama atenção, no entanto, a “empinada” vista em prazos mais curtos: apenas em 2015, a elevação está em 33,30% e em 12,38% nos últimos 30 dias. Logo após as declarações de Aldo sobre o câmbio, a moeda desacelerou muito ligeiramente a alta, mas na sequência voltou a subir. No fim do dia, o dólar à vista encerrou cotado a R$ 3,536. Foi o sexto dia seguido de negócios em que a moeda norte-americana fechou mais cara que no dia anterior.

Havia uma dúvida no mercado financeiro sobre até quando o BC suportaria observar a disparada da moeda norte-americana sem agir. Hoje, foi a primeira reação, comum a qualquer banco central: tentar convencer os agentes por meio do discurso, da racionalidade. Os passos seguintes são o de usar ferramentas técnicas simples ou mais sofisticadas como o leilão de swap cambial, um contrato negociado em reais, mas com referência na diferença entre a taxa de juros e de dólar. Desde agosto de 2013 até março passado, o BC ofereceu essa “ração” ao mercado diariamente.

Em último caso, vale lembrar, o Brasil possui ainda um colchão de reservas internacionais de US$ 370 bilhões, que pode ser usado em caso de extrema urgência, como crises financeiras ou ataque especulativo contra a moeda, o que não parece ser a questão agora.
Dólar
Fonte: A Tarde