10:52 pm - sábado novembro 18, 2017

Nascedouro

Edição e postagem: Nathan Sousa, em 01-12-2013 12:03 | Última modificação: 01-12-2013 13:35
Hospital de Olhos

O silêncio
não é uma invenção
de traficante
ou de poeta.

Também não se mostra
como possibilidade
plena de vivência,
já que a consciência
toca manadas
de rumores
em marchas
insones.

A voz não cessa
enquanto há
memória
(mesmo surda,
mesmo muda)
e o silêncio
não nasce
de um útero
sem signo.

Portanto,
é uma aspiração
do nada
após
o existido,

e que
só conseguiria
plenitude
se ele
(o silêncio)
assumisse
o inexistente
na forma
e no nome.

Quem inventou o silêncio
assim o fez
(suponho eu)
diante da face
sedutora da recusa,
e conheceu
(assim como eu)
a difícil arte
de manusear
o anseio por significação.

Até ele
(o silêncio)
nasceu
da relação
com o outro,
já que
de outro modo,
não nos serviria

nem para calar.

Nathan Sousa

Um dos poemas vencedores (3º lugar) do PRÊMIO ASSIS BRASIL