Menu...

18 de dezembro de 2017

Menina de 4 anos é estuprada por professor no Paquistão


Hospital de Olhos
Uma menina de quatro anos está hospitalizada em estado crítico após ter sido estuprada por um professor de uma madrassa, escola religiosa, na cidade de Vehari, no Paquistão, informaram nesta sexta-feira fontes policiais. O principal suspeito da agressão foi detido após uma denúncia, mas não teve sua identidade revelada. O crime teria ocorrido na terça-feira, depois que a menor, identificada como Sumaya, foi pela primeira vez à escola religiosa. A escola tem cerca de 70 alunos e fica localizada na região nordeste do Paquistão.

“Após terminar as aulas e enviar as outras crianças para casa, o estuprador a levou para um quarto e consumou o crime”, disse um policial de Vehari, Rao Tariq Pervez. O professor estava há apenas dois meses no cargo. Depois, o agressor levou a criança de volta à escola. De noite, quando os pais da criança foram buscá-la, Sumaya estava inconsciente na sala do professor suspeito de estupro. Os familiares levaram a vítima para uma clínica. "Mas, diante da gravidade de seu estado, foi preciso transferi-la para um hospital maior, onde se constatou que tinha sido estuprada”, disse Pervez.

O policial afirmou que o estado da menina é crítico, mas a vítima evolui positivamente das sequelas da agressão. Outro representante da polícia, Sadiq Ali Dogar, declarou ao jornal local Express Tribune que o suposto estuprador foi detido em uma escola próxima, onde tinha se escondido, e que outros dois professores do colégio onde o crime ocorreu fugiram. O jornal informou ainda que após o crime moradores da área realizaram um protesto e anunciaram um boicote às escolas religiosas locais.

No mês passado, causou indignação no Paquistão o caso de um grupo de homens que estuprou uma menina de cinco anos. Os criminosos deixaram a criança em um hospital e foram flagrados pelas câmeras de segurança do local, mas a polícia não conseguiu encontrá-los, o que provocou críticas da população. As denúncias de estupros não param de crescer no país apesar dos esforços de alguns setores políticos e organizações de defesa das mulheres para combater este problema.


Comente aqui

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE