7:31 pm - domingo novembro 19, 2017

Itália resgata mais de 1.000 pessoas do mar em 24 horas

Edição e postagem: Denison Duarte, em 03-01-2014 08:49 | Última modificação: 03-01-2014 08:57
Itália resgata mais de 1.000 pessoas do mar em 24 horas

Hospital de Olhos

A Marinha italiana resgatou mais de 1.000 migrantes, em 24 horas, de barcos que tentavam chegar à Europa. Helicópteros visualizaram quatro embarcações superlotadas que tentavam se manter flutuando no sul da Sicília na quinta-feira, e barcos foram enviados para fazer o resgate, disse a Marinha em comunicado.

Os 823 homens, mulheres e crianças que estavam a bordo das quatro embarcações são provenientes do Egito, Paquistão, Iraque e Tunísia. A Marinha resgatou ainda 233 migrantes da Eritreia, Nigéria, Somália, Zâmbia, Mali e Paquistão em uma outra operação e os levou para um porto próximo a Siracusa, na costa leste da Sicília.

Equipes de resgate procuram por sobreviventes do navio que naufragou em Lampedusa

Depois de um naufrágio em outubro que resultou na morte de 366 imigrantes da Eritreia perto da ilha de Lampedusa, a Itália lançou a operação “Mare Nostrum” – nome dado ao Mediterrâneo pelo Império Romano – para fortalecer a sua presença militar na área. As autoridades italianas usam navios, helicópteros e drones para monitorar o mar Mediterrâneo.

A Itália é uma importante porta de acesso à Europa para muitos migrantes que buscam refúgio e uma vida melhor. Milhares de imigrantes da África subsaariana, e também na Ásia Central e do Oriente Médio, tentam entrar todos os anos no que acreditam ser o ‘Eldorado europeu’, pagando milhares de euros a atravessadores inescrupulosos.

Sobrevivente do naufrágio do navio em Lampedusa

No início de outubro, pelo menos 400 pessoas, incluindo muitas mulheres e crianças, morreram em dois naufrágios na região de Lampedusa, a entrada principal de imigrantes que chegam à Europa a partir da África. Nas últimas duas décadas, Itália, Grécia e a ilha mediterrânea de Malta receberam a maior parte do fluxo migratório e têm solicitado uma resposta coordenada da União Europeia (UE).

(Com agência Reuters)