11:39 am - terça-feira novembro 21, 2017

Fim de sonho: Tite, entre torcida e jogadores

Edição e postagem: Denison Duarte, em 01-12-2013 10:18 | Última modificação: 01-12-2013 10:21
Fim de sonho: Tite, entre torcida e jogadores

Hospital de Olhos

Assim que o árbitro apitou o final de jogo entre Corinthians e Internacional, o técnico Tite olhou para a torcida e a única coisa que conseguiu verbalizar foi uma frase que dimensiona o que significou a despedida do técnico do Pacaembu. “Foi o fim de um sonho”. A sentença foi proferida enquanto a arquibancada ovacionava o comandante alvinegro.

Tite bem que conseguiu segurar a emoção durante a partida e dar instruções aos atletas, mas ele mesmo reconheceu que foi difícil. “Eu olhava para a arquibancada, a emoção aflorada por causa da torcida, mas ao mesmo tempo dava instruções, para chutar, passar. Fica meio dividido”, explicou com olhos marejados.

Clique aqui e curta a fanpage do portal Somos Notícia

O treinador definiu o momento como “mágico”. “Não há nada na vida que pague isso”, afirmou, para depois dizer que a ficha ainda não caiu por completo, já que ele ainda dirige o time contra o Náutico, no próximo domingo, antes de deixar o Corinthians. “A ficha está caindo aos poucos. Quero ficar mais uma semana com o convívio das pessoas que gosto, aí vai cair a ficha”, contou.

Durante o jogo, Tite foi até mais calado do que o habitual. Sua notória angústia no banco foi mais contida. Ele não ficou se movimentando muito e também foi mais econômico do que de costume nas orientações. “Claro que no jogo queríamos a vitória. Eu estava com emocional bastante aflorado. Foi a partida mais difícil da minha vida para trabalhar, até comentei com o Alessandro”, disse, citando o lateral que também se despediu.

Depois da partida, Tite foi em direção de parte da torcida e agradeceu. Mas sua introspecção não permitiu uma volta olímpica. “Eu até peço desculpas se não passei por todos torcedores, porque sou meio introvertido”, justificou.

Tite chegou ao Corinthians em outubro de 2010. Durante esses anos, conquistou o inédito título de campeão da Libertadores da América, ao derrotar o Boca Juniors na final de 2012. Também venceu o Mundial de Clubes no mesmo ano, ao derrotas o Chelsea na decisão. Em 2013, foi campeão Paulista e ainda levou a Recopa após vencer o rival São Paulo.

Essa foi a segunda passagem do técnico pelo clube do Parque São Jorge. Ele também comandou o Corinthians nos anos de 2004 e 2005.