12:13 am - segunda-feira outubro 23, 2017

Escolas de Samba do Rio de Janeiro ameaçam não desfilar em 2018 após anúncio de Marcelo Crivela

Edição e postagem: Denison Duarte, em 15-06-2017 20:48 | Última modificação: 15-06-2017 22:17
Escolas de Samba do Rio de Janeiro ameaçam não desfilar em 2018 após anúncio de Marcelo Crivela

(Daniel Ramalho/VEJA.com)

Hospital de Olhos

ESCOLAS DE SAMBA DO RIO – O anúncio do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivela, de que vai cortar pela metade o recurso destinado às escolas de samba caiu como uma bomba para a Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa).

Agora, as agremiações ameaçam não desfilar em 2018. Uma nota foi enviada pela Liga, que representa as escolas do Grupo Especial do Rio, informando que “ficarão inviabilizadas as apresentações” em 2018.

Ainda na nota, a instituição disse que o corte vai provocar “graves consequências para a produção do espetáculo, tornando inviável a realização do mesmo, nos moldes em que é naturalmente apresentado”.

O prefeito afirmou que usaria o recurso em escolas para “dobrar a diária” paga às creches, que sairia de R$ 10,00 para R$ 20,00 por aluno. No total, o valor destinado às agremiações pela administração sofreria uma redução de 24 para 12 milhões.

“O que estamos fazendo é refletir como gastar melhor. Se vamos usar esses recursos para uma festa de três dias ou ao longo de 365 dias ao ano”, disse o prefeito.

A justificativa dos presidentes das escolas argumentam que o que justifica o repasse é a arrecadação tributária e geração de empregos, “além da valorização da imagem do Rio de Janeiro e do Brasil” diante do mundo, conforme diz o texto.

Eles querem uma audiência em caráter de emergência com o prefeito para resolver o impasse.

Confira a nota da Liesa na íntegra:

Foi com surpresa que as Escolas de Samba do Grupo Especial da LIESA tomaram conhecimento da decisão do Exmo. Sr. Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro de reduzir em 50% (cinquenta por cento) o apoio financeiro para a produção dos Desfiles do Carnaval de 2018.

Considerando os enormes benefícios econômicos, financeiros, de geração de empregos e de renda, além da valorização da imagem da Cidade do Rio de Janeiro e do Brasil;

Considerando, também, o aumento substancial de arrecadação de impostos e receitas diretas e indiretas proporcionadas durante o período de preparação e realização dos desfiles carnavalescos;

Considerando, mais, que tal medida anunciada trará graves consequências para a produção do espetáculo, tornando inviável a realização do mesmo, nos moldes em que é anualmente apresentado;

Considerando ainda, a visita do então candidato a Prefeito à sede da LIESA, firmando o compromisso de manter a subvenção para as Escolas de Samba do Rio de Janeiro, no mínimo nos moldes do ano anterior, com a perspectiva de possíveis acréscimos, visando o engrandecimento do espetáculo.

Diante do acima exposto, as Escolas de Samba do Grupo Especial, representadas por seus Presidentes abaixo assinados, vêm esclarecer a opinião pública que, em reunião realizada na sede da LIESA, no dia 14/06/2017, chegaram a conclusão que, a prevalecer a decisão do Exmo. Sr. Prefeito Marcelo Crivella, ficarão inviabilizadas as apresentações das Escolas de Samba, no Carnaval de 2018.

Em face dos fatos narrados, as Escolas de Samba aguardam o agendamento, o mais breve possível, da audiência já solicitada anteriormente com o Exmo. Sr. Prefeito e os Presidentes das Escolas de Samba e da LIESA, com o objetivo de se encontrar uma solução para o problema, tendo em vista a gravidade dos fatos.
Rio de Janeiro, 14 de junho de 2017.

Escolas de Samba do Rio de Janeiro | Foto:Daniel Ramalho/VEJA.com

escolas de samba do rio

(Daniel Ramalho/VEJA.com)