11:52 am - terça-feira novembro 21, 2017

Franciscoense é detido durante Operação que investiga fraudes em concursos no PI e no MA

Edição e postagem: Denison Duarte, em 10-03-2016 16:41 | Última modificação: 26-12-2016 10:09
Hospital de Olhos

Franciscoense detido – O nome do franciscoense Helder Richard Pacheco Cavalcante está na relação dos presos na Operação Veritas deflagrada nesta quinta-feira (10) pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco).

A relação foi apresentada à imprensa após a prisão de 28 pessoas em cumprimento de mais de cem mandados no Piauí e Maranhão.

O franciscoense detido estava em São Francisco

Segundo informações, a prisão de Helder Richard aconteceu na manhã desta quinta-feira (10), no município de São Francisco do Maranhão por policiais do Greco.

Ele e outros 27 presos nesta quinta-feira são acusados de fraudes em concursos públicos e de negociar gabaritos e falsos diplomas de graduação nos dois estados.

De acordo com o G1, a Polícia Civil do Piauí descobriu um esquema articulado pelos integrantes que contratavam pessoas para responder as provas por meio de um grupo em um aplicativo de mensagens instantâneas.

A fraude foi descoberta com a apreensão de celulares de candidatos no dia da prova do Tribunal de Justiça do Piauí, que aconteceu em dezembro de 2015.

“Todos os detalhes da fraude eram acertados por meio de troca de mensagens. Além disso a quadrilha falsificava certificados de graduação”, afirmou o delegado Kleidson Ferreira (FOTO ACIMA).

Ele afirmou ainda que os celulares, por serem de fabricação internacional, possuem pouco metal e, por esta razão, não teriam sido percebidos pelo detector de metal.

“Novas prisões ainda podem ser feitas e, se necessário, mais mandados serão expedidos”, completou o delegado ao afirmar que possivelmente a quadrilha tenha beneficiado candidatos em concursos da Secretaria de Educação do Maranhão (Seduc) e do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do estado maranhense.

“Todas as bancas organizadoras desses concursos foram procuradas por nós e ajudaram com as investigações. No caso do concurso do TJ-PI, vamos elaborar um relatório e encaminhar ao órgão para que eles avaliem a possibilidade de anular ou não o certame”, encerrou o delegado.

Os depoimentos estão sendo colhidos. Nenhum detalhe sobre valores pagos aos envolvidos foi repassado pela polícia.

Veja a relação nominal

relação