7:23 pm - terça-feira novembro 21, 2017

Alunos do Polivalente em Amarante realizam exposição sobre a Ditadura Militar nesta sexta

Edição e postagem: Denison Duarte, em 23-09-2015 09:22 | Última modificação: 23-09-2015 17:46
Hospital de Olhos

A Ditadura Militar vai ser apresentada sob forma de exposição, em Amarante. O projeto, que está sendo desenvolvido pelos alunos do 3º ano A, B e C do Polivalente de Ensino Médio, será culminado nas dependências da instituição no próximo dia 25, sexta-feira.

Os trabalhos vão acontecer das 8h às 11h e das 13h30 às 15h30, com apresentações artísticas e temáticas que serão exibidas pelos alunos a partir das 15h40.

As atividades relacionadas ao projeto estão sendo coordenadas pela professora de História, Sâmia Alves. “Vamos destacar a censura, o Golpe Militar, a repressão dos direitos constitucionais, a falta da democracia, dentre outros assuntos que marcaram a época. ”

Segundo ela, o objetivo do projeto é provocar uma reflexão sobre os fatos históricos que marcaram o período, tendo como referência o olhar do músico Chico Buarque de Holanda, cujas canções da época foram embasadas nas questões políticas e sociais.

O cantor se configurou no meio artístico como muito crítico ao retratar os problemas vividos pela sociedade durante a Ditadura Militar, deixando a ditadura registrada em suas canções, uma delas foi Apesar de Você.

Ditadura Militar

LETRA DA MÚSICA
Hoje você é quem manda
Falou, tá falado
Não tem discussão
A minha gente hoje anda
Falando de lado
E olhando pro chão, viu

Você que inventou esse estado
E inventou de inventar
Toda a escuridão
Você que inventou o pecado
Esqueceu-se de inventar
O perdão

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Eu pergunto a você
Onde vai se esconder
Da enorme euforia
Como vai proibir
Quando o galo insistir
Em cantar
Água nova brotando
E a gente se amando
Sem parar

Quando chegar o momento
Esse meu sofrimento
Vou cobrar com juros, juro
Todo esse amor reprimido
Esse grito contido
Este samba no escuro

Você que inventou a tristeza
Ora, tenha a fineza
De desinventar
Você vai pagar e é dobrado
Cada lágrima rolada
Nesse meu penar

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Inda pago pra ver
O jardim florescer
Qual você não queria
Você vai se amargar
Vendo o dia raiar
Sem lhe pedir licença
E eu vou morrer de rir
Que esse dia há de vir
Antes do que você pensa

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai ter que ver
A manhã renascer
E esbanjar poesia
Como vai se explicar
Vendo o céu clarear
De repente, impunemente
Como vai abafar
Nosso coro a cantar
Na sua frente

Apesar de você
Amanhã há de ser
Outro dia
Você vai se dar mal
Etc. e tal
Lá lá lá lá laiá

Edição e postagem: Denison Duarte

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE