7:54 am - terça-feira novembro 21, 2017

Gerente do Banco do Brasil fala sobre dificuldades de clientes de Amarante nos terminais eletrônicos

Edição e postagem: Denison Duarte, em 08-05-2017 16:20 | Última modificação: 08-05-2017 20:29
Hospital de Olhos

O serviço de autoatendimento bancário realizado na agência do Banco do Brasil em Amarante tem sido alvo de insatisfação e constantes reclamações de clientes em geral nos últimos meses.

Eles têm como alvo das reclamações a falta de numerários nos terminais durante os finais de semana e também os horários da abertura e fechamento da agência para acesso aos terminais eletrônicos.

Em relação aos horários de abertura e fechamento, a decisão do banco, segundo o gerente de agência, Lancy Medeiros, está voltada à redução de fraudes contra os clientes. “A medida visa dificultar fraudes no ambiente interno contra os clientes, principalmente contra os aposentados que se deixam levar pelos fraudadores que se utilizam da boa fé deles (aposentados).”

O acesso aos terminais de autoatendimento da agência encerrando todos os dias às 18h (antes era às 20h) segundo os clientes”representa um grande problema enfrentado pela população”. Lancy Medeiros assegurou que o horário de abertura e fechamento da agência para acesso aos terminais é uma determinação do próprio banco, e não da agência local.

Em relação à falta de numerários(dinheiro) nos terminais, ele assegura que “os terminais têm uma capacidade limitada de numerários e que há, por parte do banco, uma preocupação constante com a segurança, não só da agência, mas do próprio cliente”.

No final do mês de abril, quando a prefeitura de Amarante e o estado realizaram os pagamentos dos servidores as reclamações eram constantes dentro da agência. O foco era um só: “a falta de dinheiro nos terminais”, segundo os clientes.

Nos finais de semana, o gerente afirma que o foco é também segurança. Em ações em que criminosos possam explodir os terminais, segundo Lancy Medeiros, “as perdas são grandes” para toda a população. “Eles(os bandidos) agem de forma agressiva. Não há estrutura particular ou de policiamento que resista. Em Teresina, mesmo com policial efetivo, com batalhões, carros fortes e tudo mais, a gente vê o sucesso dos bandidos”.

Uma das medidas na tentativa de coibir a ação dos bandidos, segundo ele, “foi a redução de numerários na agência durante a noite e nos finais de semana”. Lancy afirma que o modus operandi dos criminosos se torna mais inteligente a cada dia, mas assegura que o sistema de segurança dos bancos precisa também se adaptar.

“No final de semana, fica um valor maior, mas a gente tem ciência de que esse valor é insuficiente. Não se trata de uma falta de gestão ou descaso, é uma forma de inibir essas ações, e que vem funcionando. Embora haja esse transtorno, nós precisamos preservar a continuidade dos serviços.”, completa o gerente ao afirmar que reconhece, respeita e entende o transtorno gerado aos clientes.

Em conversa com a administração municipal e com os legisladores, o gerente sugeriu o escalonamento da folha de pagamento, o que pode facilitar para os servidores e também desafogar a agência.

“A nossa sugestão é que se faça o escalonamento desses pagamentos por setores dias 10, 20 e 30 de cada mês. Esse procedimento facilita e possibilita que a gente faça os pagamentos dentro da margem de segurança que temos”, reforça.

Outra forma disponibilizada pelo banco e recomendada pelo gerente é a utilização dos serviços bancários em dispositivos móveis e/ou cartões de crédito e débito.

“Os clientes não precisam do dinheiro em espécie na maioria dos casos, podendo utilizar a função de débito do cartão para abastecimento de veículo, medicamentos, feira, etc.. Não há custos ao cliente. Com o aplicativo do banco, ele faz tudo e é um ambiente seguro. Os bancos estão apostando muito no universo digital”, informa ao afirmar que, dentre outros serviços, é possível fazer financiamento de veículos via aplicativo.

Ele encerra dizendo que o banco está investindo em canais que visem facilitar as transações aos clientes, “sem esquecer do quesito segurança”.

“O banco chega a cobrir qualquer ônus em caso de fraude ou violação do sistema contra o cliente. Pela própria central de atendimento ele pode registrar a ocorrência quando se tem qualquer possibilidade de violação à integridade da transação”, conclui.