12:06 am - quarta-feira novembro 22, 2017

Aurélio Miguel recebia de quadrilha, diz auditor ao MP

Edição e postagem: Denison Duarte, em 15-11-2013 09:19 | Última modificação: 15-11-2013 09:19
Hospital de Olhos

O promotor Roberto Bodini disse nesta quarta-feira (13) que o auditor fiscal Eduardo Horle Barcellos afirmou ao Ministério Público (MP) que o vereador Aurélio Miguel (PR) também recebia dinheiro do esquema de propina na Secretaria de Finanças da Prefeitura de São Paulo. Os valores seriam repassados pelo auditor Ronilson Bezerra Rodrigues. "Barcellos não disse qual era o valor repassado nem em que período houve os pagamentos", disse Bodini.

Ele, no entanto, afirmou que não pretende convocar Miguel para prestar esclarecimentos sobre essa denúncia. "Meu foco no momento é a fraude no ISS (Imposto Sobre Serviços). Isso não quer dizer que um outro procedimento não possa ser aberto no Ministério Público para investigar essas acusações."

Miguel nega envolvimento com o esquema e diz que teve relação institucional com Ronilson Rodrigues . "É incoerente tentarem apontar ligações escusas entre o vereador Aurélio Miguel e o funcionário público citado, visto que em 2010, Aurélio representou a gestão Kassab e suas Secretarias de Habitação e Finanças ao Ministério Público Estadual por conta da falta de apuração quanto às irregularidades apontadas na CPI do IPTU no ano anterior e também pela perda de arrecadação em torno de 100 milhões", afirma nota da assessoria de imprensa do vereador.

>> Secretário citado em fraude pede afastamento da prefeitura de SP

Barcellos disse também ao MP nesta terça-feira (12) que entregou R$ 20 mil por mês ao vereador Antônio Donato, que deixou o cargo de secretário da Prefeitura, entre dezembro de 2011 e setembro de 2012. Bodini disse ainda que Rodrigues não deverá aceitar acordo de delação premiada para colaborar com as investigações.

Licença

Um dia após se afastar da gestão Fernando Haddad (PT) sob acusação de ter recebido mesada da quadrilha que desviava imposto em São Paulo, o ex-secretário Antônio Donato pediu nesta quarta-feira 13 dias de licença da Câmara Municipal, onde retomou o mandato de vereador.

Donato alegou motivos pessoais e só deve voltar no dia 25. O ex-braço-direito de Haddad estava na comitiva, com outros nove vereadores, que vai para Israel nesta quinta-feira, 14, como representante da Prefeitura de São Paulo. Com a saída, ele não viaja mais. Quem perde a cadeira parlamentar é o suplente Alessandro Guedes (PT).

>> MP investiga enriquecimento ilícito de 40 fiscais de SP

Donato foi acusado pelos auditores fiscais Eduardo Barcellos e Ronilson Rodrigues, dois dos quatro suspeitos de fraudar até R$ 500 milhões em impostos, de receber dinheiro da quadrilha para a campanha eleitoral a vereador em 2012. O promotor Roberto Bodini disse que pretende ouvir o ex-secretário do Governo Municipal de São Paulo.

Barcellos disse ter pago a pedido de Donato R$ 20 mil por mês a ele entre dezembro de 2011 e setembro de 2012. A acusação do fiscal foi feita nesta terça-feira, 12, mesmo dia em que Donato pediu afastamento do cargo de secretário para se defender das acusações. Ela nega ter recebido dinheiro.

>> Auditores da gestão Kassab são acusados de fraude milionária

De acordo com petistas, os presidentes nacional, deputado estadual Rui Falcão, estadual, Emídio de Souza, e municipal do partido, Paulo Fiorilo, foram contra o afastamento de Donato. Falcão, Souza e Fiorilo foram informados do anúncio nesta terça-feira, 12, durante almoço com o prefeito de São Paulo.

CPI

Na sessão desta quarta-feira, o vereador Gilberto Natalini (PV) tenta coletar as 19 assinaturas necessárias para protocolar um pedido de comissão parlamentar de inquéirot (CPI) para investigar fraudes na arrecadação dos Impostos Sobre Serviços (ISS) e Predial e Territorial Urbano (IPTU). Até as 16h30, 15 parlamentares haviam assinado o pedido, entre eles o vereador Aurélio Miguel (PR), que também foi acusado por fiscais de ter recebido dinheiro da quadrilha.

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE